Futurando - Edição de 29/01/20 | Programa de ciência, meio ambiente e tecnologia da DW Brasil | DW | 29.01.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Futurando!

Futurando - Edição de 29/01/20

Veja como funciona a Li-Fi, internet de luz.

Assistir ao vídeo 24:58

Uma nova forma de transferência de dados utilizando luz está em testes na Alemanha. Apelidado de Li-Fi (uma mistura das palavras LED e Wi-Fi), o sistema é considerado mais seguro, porque a transmissão de informações fica limitada ao ambiente onde está instalada a tecnologia. Caso haja alguma limitação do contato visual entre as fontes, o processo é interrompido. O que à princípio é uma vantagem do ponto de vista da privacidade também pode ser um problema, como você confere no próximo Futurando.

Também utilizando luz, cientistas da Universidade de Saarbrücken, na Alemanha, querem mudar a forma como se faz cinema. Se depender deles, as câmeras usadas atualmente para gravar filmes estão com os dias contados. Está em testes uma câmera de campo de luz. A técnica revolucionária permite, por exemplo, que movimentos de câmera sejam adicionados na pós-produção. O Futurando explica como e mostra o que falta para a técnica ser usada em grande escala.

Quando se fala em tecnologia, o que poucos anos atrás era uma grande novidade, hoje já é considerado algo da "Idade da Pedra" digital. É o caso dos disquetes. Antes parte do nosso dia a dia, atualmente eles repousam escondidos no fundo de gavetas. Mas, se há alguém que pode recuperar os dados contidos nesses dispositivos e julgados perdidos é o especialista Reto Bösch. Com a ajuda de ítens do acervo de um museu da Suíça ele traz à vida informações há muito tempo inacessíveis.

O próximo Futurando traz ainda o exemplo de Copenhague, que prova que praticamente todo o lugar pode se tornar atrativo e acumular mais de uma função. Na capital dinamarquesa, sustentabilidade e diversão andam juntas: foi criada uma pista de esqui sobre uma usina de gerenciamento de resíduos e recuperação de energia, na zona portuária da cidade. O espaço oferece aventura e, ao mesmo tempo, um ambiente para relaxar ao ar livre e confraternizar.

A Holanda também está preocupada com o destino do lixo. Uma startup do país desenvolveu uma barreira de bolhas de ar capaz de interceptar resíduos das águas antes que eles cheguem ao oceano. Ela já está em uso em Amsterdã e funciona, inclusive, para captar minúsculos pedaços de plástico de um milímetro. E isso sem prejudicar o deslocamento dos peixes e o tráfego de barcos.