Futurando - Edição de 17/07/2019 | DW Brasil | Notícias e análises do Brasil e do mundo | DW | 16.07.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Futurando - Edição de 17/07/2019

Perigo em alto mar

Assistir ao vídeo 25:44

A onda perfeita para os surfistas existe, mas pode surgir a qualquer momento e durar poucos segundos. É necessário ter paciência. O Futurando desta semana vai explicar como é todo o processo de formação dela e toda a física envolvida no movimento das águas em mar aberto e perto da costa. Você vai descobrir que o conceito por trás do surgimento de uma onda, em si, é mais simples do que imaginamos.

A nossa equipe acompanhou também um experimento para desvendar um perigo em alto mar: as ondas gigantes, também chamadas de ondas-monstro. Elas aparecem, em geral, "do nada” e podem aumentar de tamanho quando se encontram com ondas menores. Cientistas simularam os chamados vagalhões em laboratório e você confere nesta edição os resultados dos experimentos.

E por que o mar, dono de uma potência tão gigante e volume de água quase incalculável, até hoje não é amplamente usado para produção de eletricidade? A resposta para a pergunta parece simples, mas não é. A história tem registros de inúmeras tentativas frustradas de fabricar energia com a força das ondas, algumas inclusive nem tão antigas assim. No programa, você vai saber as barreiras que essa revolução ainda enfrenta para, de fato, acontecer.

Além de energia sustentável, ondas navegáveis e não navegáveis, o mar é uma fonte inesgotável de um barulho que acalma, descansa. E isso tem uma explicação científica. Os detalhes, você só fica sabendo no programa. O que podemos adiantar é que truques como tentar reproduzir, ou substituir, o mesmo chiado de maneira artificial podem não fazer o mesmo efeito.

Para encerrar o Futurando, temos uma iniciativa que transformou o agressivo e indiscriminado turismo para ver golfinhos em um projeto de conscientização ambiental. Os pescadores, que antes levavam os turistas sem qualquer critério para observar os animais, hoje adaptaram a rotina e operam barcos que levam os visitantes para fazer passeios ecológicos.