Furacão ruma para Flórida após devastar o Caribe | Notícias internacionais e análises | DW | 08.09.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Furacão ruma para Flórida após devastar o Caribe

Irma continua "extremamente perigoso", segundo autoridades. Com ventos de 250 quilômetros por hora, furacão se move em direção aos Estados Unidos, onde dezenas de milhares devem deixar suas casas.

Destroços após passagem do furacão Irma em São Martinho

Destroços após passagem do furacão Irma em São Martinho

O furacão Irma, que atravessa o Caribe se move com ventos de 250 quilômetros por hora em direção à Flórida nesta sexta-feira (08/09), passando por Cuba e pelas Bahamas. O Centro Nacional de Furacões (NHC, em inglês) dos Estados Unidos, informou que rebaixou o furacão ao segundo nível mais alto, de categoria 4, mas ainda o classifica de "extremamente perigoso". 

Leia mais: Como os americanos se preparam para furacões?

Como um furacão da categoria 5, a mais alta, com velocidade do vento de quase 300 quilômetros por hora, o Irma causou danos graves em várias ilhas do Caribe. Ao menos 22 mortos foram contabilizados na região, ameaçada por mais dois furacões. O Irma é esperado deve chegar neste sábado à costa sul do estado da Flórida, após passar pelas costas norte da República Dominicana e do Haiti, além das ilhas Turks e Caicos.

Trajetória do Irma

Trajetória do Irma, com locais atingidos entre quarta (wed) e sábado (sat)

Segundo estimativas iniciais de organizações de assistência, no Haiti e na República Dominicana o Irma causou menos danos do que era temido. Cerca de 200 casas foram totalmente destruídas na República Dominicana, mas não foram registrados mortos. A região norte do Haiti, entretanto, pode vir a sofrer inundações, segundo especialistas.

A população do Haiti, um dos países mais pobres da região, ainda sofre os efeitos do terremoto de 2010 e do furacão Matthew, de 2016. "O problema básico dos haitianos é que eles não podem confiar em seu Estado", avaliou o porta-voz internacional da Caritas, Achim Reinke.

As autoridades da Flórida e da vizinha Geórgia pediram que dezenas de milhares de pessoas nas áreas costeiras deixassem suas casas. O governador da Flórida, Rick Scott, afirmou que todos os 20 milhões de habitantes do estado devem se preparar para uma possível ordem de evacuação. Uma retirada obrigatória de residentes da costa atlântica da Geórgia foi agendada para começar no sábado, segundo o governador do estado, Nathan Deal.

Funcionário de supermercado repõe garrafas de água em prateleira de supermercado de Surfside, na Flórida

Funcionário de supermercado repõe garrafas de água em prateleira de supermercado de Surfside, na Flórida, às vésperas de chegada de furacão

Em Miami, centenas fizeram filas para comprar garrafas de água, e carros também se enfileiraram para abastecer em postos de gasolina nesta quinta-feira. Escassez de mantimentos foi registrada na área metropolitana de Miami-Fort Lauderdale.

O governo dos Estados Unidos ampliou nesta sexta-feira o decreto de estado de emergência para a Geórgia, que deve ser atingida na segunda-feira, informaram fontes oficiais. Nos últimos dias, a Casa Branca já tinha declarado estado de emergência para Porto Rico, Ilhas Virgens e Flórida.

Dezenas de voos para a Florida foram cancelados. Ao menos 47 voos, das companhias Latam, Azul, Avianca e American Airlines, com destino ou origem do Brasil para a região estão na lista dos cancelados ou alterados. As empresas pedem que os passageiros chequem em seus sites a situação de seus voos e oferecem remarcações sem cobrar taxas.

O furacão foi considerado um dos mais fortes da história e o mais potente já registrado no Atlântico em termos de velocidade de ventos. Segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMM), o furacão Irma foi o que passou mais tempo na categoria 5 da escala Saffir-Simpson, com ventos superiores a 300 km/h por mais de 37 horas.

O Irma chega aos EUA duas semanas depois que o furacão Harvey atingiu o Texas, deixando cerca de 60 mortos e causando danos estimados em até 180 bilhões de dólares nos estados do Texas e Louisiana.

MD/efe/afp/ap

Leia mais