″Freio de emergência″ contra covid tem luz verde na Alemanha | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 22.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

"Freio de emergência" contra covid tem luz verde na Alemanha

Após longos debates, restrições mais rigorosas, incluindo toques de recolher e fechamento de escolas, passarão a ser aplicáveis em âmbito nacional, caso incidência de novos casos exceda limites pré-estabelecidos.

Salão da câmara alta do parlamento alemão

Bundesrat vota emenda da lei de prevenção de doenças infecciosas da Alemanha

O presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, assinou nesta quinta-feira (22/04) uma lei prevendo restrições uniformes antipandemia para os locais considerados focos de covid-19, em todo o país. Antes, o assim chamado "freio de emergência" fora aprovado pelo Bundestag e o Bundesrat, respectivamente a câmara baixa e alta do parlamento.

A nova legislação, que prevê toques de recolher e o fechamento de escolas, implica a emenda da lei nacional para proteção de doenças infecciosas. Antes do voto do Bundesrat, o chefe da Chancelaria Federal Helge Braun defendera o passo:

"O atual nível de contágios é alto demais na maioria das regiões e ameaça sobrecarregar nosso sistema de saúde. Portanto as medidas do 'freio de emergência' federal são urgentemente necessárias. Em muitos países elas já demonstraram ser apropriadas para desacelerar a incidência dos contágios. E são também proporcionais à gravidade da situação."

Antes mesmo de o projeto passar pelo Bundesrat, tanto o Partido Liberal Democrático (FDP) quanto a associação parlamentar Freie Wähler (Eleitores Livres) anunciaram que objetariam o "freio de emergência" em juízo.

Pró-mercado livre, o FDP tem sido um dos opositores mais ferrenhos da lei. Seu secretário-geral, Volker Wissing, reiterou a oposição da sigla: "Num Estado livre constitucional, a autoridade deve justificar claramente por que intervém tão incisivamente nos direitos fundamentais. O governo federal não foi capaz de fornecer essa justificativa."

Que medidas passam a valer

O "freio de emergência" do governo alemão para a pandemia determina que, em regiões ou cidades cuja média móvel de incidência do coronavírus nos últimos sete dias exceda 100 novas infecções por cada 100 mil habitantes, as autoridades devem:

- restringir os contatos pessoais a um unidade residencial e mais uma pessoa, excluídos menores de 14 anos. As exceções previstas incluem encontros de cônjuges e parceiros ou o exercício de direitos de custódia e acesso;

- impor toque de recolher das 22h00 às 05h00, exceto para caminhada ou corrida solitária até a 00h00. Outras exceções possíveis são emergências, prática profissional, enfermaria e cuidados de pessoas ou animais, assim como outras razões relevantes;

- assegurar que lojas de artigos não essenciais só permitam a entrada de clientes com hora marcada e apresentação de teste negativo de covid-19. Se a incidência exceder 150, os fregueses só podem apanhar mercadorias previamente encomendadas;

- limitar a 30 a assistência a funerais a 30 indivíduos;

- caso a incidência exceda 165 por 100 mil habitantes, encerrar as aulas presenciais nas escolas. Pode haver exceções para classes de graduação e escolas especiais.

A lei permanece em vigor até 30 de junho de 2021, quaisquer mudanças posteriores requerem aprovação parlamentar.

As medidas incluem, ainda, a extensão da licença em caso de doença dos filhos a 30 dias anuais para cada responsável ou 60 dias para mães e pais solteiros, por criança, até um total de 65 ou 130 dias por ano.

av (KNA,AFP.DPA)

Leia mais