França resgata primeiro corpo de destroços do AF447 | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 05.05.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

França resgata primeiro corpo de destroços do AF447

Cadáver estava a 3.900 metros de profundidade e será enviado para Paris, onde especialistas tentarão identificá-lo a partir de testes de DNA. Também as caixas-pretas resgatadas esta semana serão analisadas na França.

default

'Caixa-preta' havia sido encontrada no domingo

O primeiro corpo de uma vítima do acidente com o voo AF447 da Air France foi resgatado nesta quinta-feira (05/05) do fundo do Oceano Atlântico, divulgaram autoridades francesas em Paris.

Segundo um comunicado da Gendarmerie (polícia militar francesa), os restos mortais ainda estavam presos ao assento do avião. O corpo, já degradado, foi encontrado a 3.900 metros de profundidade.

Especialistas querem agora tentar sua identificação a partir de testes de DNA em Paris. O resgate aconteceu quase dois anos depois do acidente no qual morreram todas as 228 pessoas a bordo do voo AF447, que fazia a rota Rio-Paris.

Operação complexa

A equipe de resgate está no navio Ile de Seine, a cerca de 1.100 quilômetros da costa do Recife. "A busca e o recolhimento dos corpos acontece em condições particularmente complexas e inéditas", diz o comunicado da Gendarmerie.

Apesar da ação bem sucedida desta quinta-feira, a equipe se mostrou cautelosa quanto à possibilidade de resgatar outras vítimas do voo AF447, que, além da tripulação, transportava 216 passageiros de 32 nacionalidades. Entre eles havia 73 franceses, 58 brasileiros e 26 alemães.

Na época do acidente, cerca de 50 corpos foram localizados na superfície do mar e puderam ser identificados. A equipe, que utiliza minissubmarinos nas operações de resgate, também encontrou as duas caixas-pretas do avião, um Airbus A330-200.

As duas caixas-pretas haviam sido resgatadas no domingo e na segunda-feira.

AS/afp/dpa
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais