França bate seu recorde de casos de covid em 24 horas | Notícias internacionais e análises | DW | 11.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

França bate seu recorde de casos de covid em 24 horas

País europeu tem quase 10 mil novas infecções, número mais alto registrado em um dia desde início da pandemia. Hospitalizações também voltam a crescer, e governo discute endurecimento das medidas de contenção.

Pessoas de máscara nas ruas de Paris

Em algumas regiões de Paris, o uso de máscara facial é obrigatório também nas ruas

Autoridades da França reportaram quase 10 mil casos confirmados de coronavírus em 24 horas, marcando o maior índice diário registrado no país europeu desde o início da pandemia. Segundo o Ministério da Saúde francês, foram 9.843 novas infecções nesta quinta-feira (10/09), ou quase 900 a mais que o recorde anterior, de 8.975 casos, registrado seis dias antes.

O balanço eleva o total de infectados para mais de 392 mil. Ao longo da última semana, o país registrou 48.542 novos casos, entre os mais de 1 milhão de testes realizados no período. A proporção de exames que apresentam resultado positivo cresceu para 5,4%.

O governo francês reportou ainda 19 mortes em decorrência da covid-19 em 24 horas, somando agora um total de 30.813 vítimas desde o início da pandemia.

Assim como as infecções, o número de pacientes hospitalizados também voltou a crescer na França. Segundo o ministério, 5.096 pessoas estão internadas com o vírus – 96 a mais que no dia anterior. A cifra, que vem crescendo há 12 dias seguidos, é a mais alta em mais de um mês.

Atualmente, 615 pacientes estão hospitalizados em unidades de terapia intensiva (UTIs), um número que não era visto no país desde o fim de junho.

Novas medidas

Embora ainda estejam distantes dos picos de abril, os índices de hospitalização na França renovaram a pressão sobre o sistema de saúde, o que pode levar as autoridades a agirem.

Ministros franceses e especialistas em saúde se reunirão nesta sexta-feira para discutir um endurecimento das medidas de contenção para impedir o avanço nos contágios.

O presidente Emmanuel Macron prometeu que a reunião daria ao público uma ideia clara sobre o que se esperar nas próximas semanas. "Precisamos ser o mais transparentes e claros possível. Precisamos ser exigentes e realistas, sem ceder a qualquer tipo de pânico", afirmou na quinta-feira, segundo a agência de notícias francesa AFP.

Jean-François Delfraissy, chefe do conselho científico que assessora o governo durante a pandemia, disse que decisões "duras" podem ser tomadas nesta sexta-feira. Ele alertou sobre o perigo de um "aumento muito rápido e exponencial" dos casos em partes da França, como as regiões da Riviera Francesa e da Provença.

Atualmente, aglomerações estão proibidas no país e, em algumas cidades, máscaras são obrigatórias em locais públicos, inclusive em ruas.

Sétimo país com mais mortes

A França é um dos países europeus mais atingidos pela pandemia de covid-19. Embora seja a 13ª nação com maior número de infectados no mundo, é a sétima com mais mortes ligadas ao vírus.

Ao todo, o planeta já registrou mais de 28 milhões de casos, e mais de 909 mil pessoas morreram em decorrência da covid-19. Os Estados Unidos são o país com mais infectados e mortos, somando 6,3 milhões de casos e 191 mil óbitos.

A Índia, o segundo país em número de infecções, com 4,5 milhões, registrou um novo recorde mundial de casos em 24 horas na quinta-feira, somando mais de 96 mil resultados positivos em apenas um dia.

EK/dpa/rtr/afp/ap