Forças Armadas alemãs têm 14 membros listados como extremistas | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 03.03.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Forças Armadas alemãs têm 14 membros listados como extremistas

Serviço de contrainteligência identifica oito extremistas de direita, quatro islamistas e dois "cidadãos do Reich" na Bundeswehr em 2019. Em muitos casos, declarações xenófobas em redes sociais levantaram suspeitas.

Soldados alemães de costas

"Não há lugar para o extremismo na Bundeswehr", diz relatório

O Serviço de Contrainteligência Militar da Alemanha (MAD) listou no ano passado 14 soldados e funcionários da Bundeswehr, as Forças Armadas do país, como extremistas, aponta um relatório divulgado nesta terça-feira (03/03). 

O relatório do MAD, enviado ao Parlamento alemão e ao qual agência de notícias DPA e a rede de emissoras ARD tiveram acesso, aponta que além de oito extremistas de direita, foram identificados quatro islamistas e dois chamados reichsbürger – autointitulados "cidadãos do Reich", que rejeitam a legitimidade da atual República Federal da Alemanha e de suas leis e adotam para si as antigas fronteiras de 1937 do Terceiro Reich.

Segundo o MAD, foram contabilizados 743 casos suspeitos de extremismo entre as Forças Armadas em 2019, entre eles 592 relacionados ao extremismo de direita, 69 islamistas e 11 de extrema esquerda. No total, 49 pessoas foram demitidas por conduta extremista, 46 delas de direita.

O MAD considera extremista quem age ativamente contra a ordem básica democrática, em alguns casos com uso de violência. De acordo com o parágrafo 4º da Lei Federal de Proteção à Constituição, são considerados esforços nesse sentido comportamentos direcionados contra as liberdades e direitos democráticos, a independência da Justiça ou contra os direitos humanos descritos na Lei Fundamental, a Constituição alemã.

Segundo os autores do relatório do MAD, contribuíram para o extremismo de direita no ano passado a ideologia da chamada Neue Rechte (Nova Direita), o chamado Movimento Identitário, assim como a Junge Alternative, ala jovem do partido populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD), e a Der Flügel, ala ultranacionalista da AfD.

"Declarações xenófobas nas redes sociais foram responsáveis pela maior parte dos casos processados como suspeitos pelo MAD", diz o relatório.

O documento também menciona "ofensas clássicas de propaganda", como tocar música de extrema direita em propriedades militares e participar de eventos de extrema direita.

"O número de membros de grupos, organizações e partidos de extrema direita permaneceu estável e a um nível baixo", aponta o MAD.

Em outubro do ano passado, o Ministério da Defesa inaugurou uma nova unidade para lidar com os casos suspeitos de extremismo, com o objetivo de, após críticas ao trabalho do MAD, garantir mais transparência e também monitorar as consequências dos casos classificados como extremistas.

"Não há lugar para o extremismo na Bundeswehr. O objetivo das Forças Armadas é afastar e manter distantes delas tanto extremistas reconhecidos quanto pessoas com falta de lealdade à Constituição", conclui o relatório.

Em meados de 2019, um levantamento do Ministério da Defesa alemão apontou que, em dois anos, a Bundeswehr rejeitou 63 candidatos por extremismo. Deles, 21 foram tidos como extremistas de direita. Em 12 casos, foram identificados islamistas, e dois foram considerados extremistas de esquerda.

LPF/dpa/ard

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais