Fitch corta rating da Argentina para ″CCC″ | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 17.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Economia

Fitch corta rating da Argentina para "CCC"

Agência de rating reduz nota da Argentina de "B" para "CCC" e prevê retração da economia em 2,5% neste ano. Corte em dois níveis reflete incerteza política e uma falência estatal é cada vez mais provável, diz agência.

Währungskrise in Argentinien Argentinische Pesos (AFP/J. Mabromata)

Após colapso da Bolsa de Valores, agência de rating corta nota de crédito argentina em dois níveis

A agência de classificação de risco de crédito Fitch cortou a nota da Argentina de "B" para "CCC", de acordo com um comunicado publicado nesta sexta-feira (16/08). A Fitch Ratings atribui essa nota a países com risco muito alto de inadimplência.

A agência de rating justificou a sua classificação, afirmando que o rebaixamento é uma consequência do aumento da incerteza política e da situação financeira cada vez mais problemática da Argentina. Além disso, é esperada uma deterioração adicional da situação econômica geral, o que aumenta a probabilidade de uma falência estatal, disse a Fitch.

No comunicado, a Fitch prevê em 2,5% a retração da economia argentina em 2019. Além disso, a agência antecipa uma estagnação em 2020, mas diz ver alto nível de incerteza dada a "falta de clareza sobre políticas econômicas cruciais após as eleições."

Segundo a Fitch, o rebaixamento reflete "a alta incerteza de políticas" após os resultados das eleições primárias de domingo, nos quais o presidente Mauricio Macri ficou 15 pontos percentuais atrás da chapa encabeçada pelo peronista Alberto Fernandéz e pela ex-presidente Cristina Kirchner.

Nas primárias argentinas, que servem para reduzir o campo de candidatos à presidência, o candidato liberal Macri obteve somente 32% dos votos. Seu rival da ala peronista de centro-esquerda conseguiu angariar 47% da preferência dos eleitores.

A derrota de Macri no último domingo fez o índice S&P Merval, das principais ações cotadas na Bolsa de Valores de Buenos Aires, despencar na segunda-feira. Calculadas em dólares, as perdas chegam a quase 50%.

Esta é a segunda maior queda do mercado de ações em todo o mundo desde 1950. A moeda nacional, o peso, caiu 15%, com a inflação indo para a marca de 50%.

A Argentina está em recessão há muito tempo. A população espera que isso, assim como a inflação, se agrave ainda mais.

As primárias são consideradas um barômetro importante para a eleição presidencial, que deverá ocorrer em 27 de outubro próximo.

CA/afp/rtr/dw/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais