Festival c/o pop 2010 procura interligar setores da indústria criativa | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 23.06.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Festival c/o pop 2010 procura interligar setores da indústria criativa

Dedicado às diversas facetas da cultura pop da era digital, o c/o pop, festival que sucedeu à antiga feira de música Popkomm, abre suas portas pela sétima vez em Colônia. Neste ano, o evento está maior do que nunca.

default

Banda inglesa The Go! Team é atração do evento

Durante os seis dias do festival c/o pop, a partir da quarta-feira (23/06), a metrópole renana será palco de 70 apresentações de 250 artistas de todo o mundo. A proposta do festival, no entanto, vai além de concertos e festas: o c/o pop procura interligar as diversas áreas da indústria criativa.

A programação do c/o pop deste ano é a maior de sua história. O evento se espalha por toda a cidade, da Filarmônica ao Jardim Zoológico de Colônia, e as bandas e DJs apresentam ritmos que vão do pop balcânico ao reggae e house music, sem deixar de lado mininal e techno da melhor qualidade.

Grande nomes da cena eletrônica latino-americana, como o brasileiro Gui Boratto, o DJ mexicano Rebolledo ou o chileno Diegors se apresentarão no festival, alguns deles não pela primeira vez.

co pop 2010 in Köln Flash-Galerie

Brandt Brauer Frick: promessa do pop alemão

Bandas alemãs

O ponto forte todavia está na participação alemã. Metade das bandas e DJs vem da Alemanha, entre eles, artistas de renome do pop e do rock, como o duo Booka Shade e a banda Die Sterne, e também de house e techno, como os DJs Hell, Michael Mayer e Hans Nieswandt.

Dos novatos, o trio alemão Brandt Brauer Frick é a promessa de sucesso. Seu estilo lembra o lendário Kraftwerk, mas seu som não sai de sintetizadores ou laptops, mas de instrumentos “de verdade”. Para os organizadores do festival, o trio, que alia o minimal techno ao free jazz, está no começo de uma grande carreira.

Entre as atrações internacionais, o grupo pop francês Phoenix, a banda funk inglesa The Go! Team e o cantor e multi-instrumentalista Xantoné Blacq farão concertos individuais. Considerado um Stevie Wonder moderno, Blacq irá a Colônia com parte da banda de Amy Winehouse, na qual tocava anteriormente.

Convenção da indústria criativa

Dando prosseguimento à serie de conferências e workshops que já acompanhavam o festival nos anos anteriores, em 2010 o c/o pop criou o C'n'B (Creative Business Convention), convenção que tem por objetivo aliar a cultura pop ao mundo de negócios.

Trata-se de um fórum único e de abrangência internacional dedicado à indústria criativa, explicou a diretora de programação, Claudia Jericho, à imprensa. “Devido à globalização e à digitalização, em todos os setores surgiram os mesmos desafios”, acrescentou.

Segundo o Ministério alemão da Economia, em 2008 a indústria criativa alemã, que emprega mais de um milhão de pessoas, faturou 132 bilhões de euros. Em seus mais de 50 palestras, workshops e fóruns, o C'n'B visa fomentar o intercâmbio entre profissionais de música e propaganda, software e games, moda e arte, filme e TV, design e arquitetura, imprensa e mídia.

co pop 2010 in Köln Flash-Galerie

Banda francesa Phoenix já empolga há 15 anos

Próxima gera ção

Diversos painéis do C'n'B são dedicados à a sustentabilidade criativa, a fim de levar em consideração a economia de energia e a preocupação ecológica em eventos da indústria criativa, por exemplo, em concertos e festivais.

Para quem quiser iniciar seus rebentos nos mistérios da cultura pop e da música eletrônica, o c/o pop organizou o “c/o pänz”. No dialeto de Colônia, “Pänz” significa criança. Sob a orientação de DJs conhecidos, os pequenos podem assistir a workshops e aprender sobre as tendências da música atual.

Segundo o DJ e produtor Tobias Thomas, diretor de programação do festival, não se trata de um “teatrinho para crianças”, mas de transmitir formatos midiáticos para os mais jovens, o que o festival leva bastante a sério, garante ele.

Autor: Carlos Albuquerque

Revisão: Rodrigo Rimon

Leia mais sobre as edições passadas:

Leia mais