Fórum Social Mundial chega ao ″berço″ da Primavera Árabe | Notícias internacionais e análises | DW | 26.03.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Fórum Social Mundial chega ao "berço" da Primavera Árabe

Pela primeira vez, o Fórum Social Mundial ocorre num país árabe. Ativistas locais esperam que o evento dê um novo impulso ao processo de democratização na Tunísia.

Com o lema "Dignidade", o 11º Fórum Social Mundial (FSM) começa nesta terça-feira (26/03) em Túnis, capital da Tunísia. O lema deste ano remete à luta do povo tunisiano, que há dois anos gritava nas ruas do país por trabalho, liberdade e dignidade.

"Depois de uma revolução, certamente o FSM tem uma grande importância", afirma Mouhieddine Cherbib, membro do comitê organizador. Discutir questões essenciais envolvendo justiça social, economia e segurança local em nível mundial é algo muito importante, afirma. Essas discussões não seriam possíveis sob o regime ditatorial de Zine Abidine Ben Ali.

"Imagine quantas vezes um trabalhador de Redeyef (região mineradora no sudoeste do país) teve a oportunidade de se encontrar com colegas da Alemanha, da França, da Bélgica ou da Mongólia. O que antes era inimaginável, hoje é possível, e é esse o objetivo do FSM", disse Cherbib. Segundo ele, as questões levantadas no FSM são as mesmas que estão no centro dos debates sobre justiça e democracia na Tunísia.

O Fórum Social Mundial foi criado em 2001 como contraponto ao Fórum Econômico Mundial, que acontece todos os anos em Davos, na Suíça. A primeira edição do FSM ocorreu em Porto Alegre.

Tunesien Tunis Weltsozialforum 2013

Mulheres participam da abertura do FSM na Tunísia

Grandes expectativas

Até o final desta semana, cerca de três mil workshops, manifestações e shows acontecerão no campus da Universidade de Túnis. Os organizadores esperam a participação de 4.500 organizações, reunindo até 50 mil participantes de todo o mundo, que discutirão temas como globalização, trabalho, direitos das mulheres e meio ambiente. Para o primeiro dia do evento estão planejadas uma assembleia de mulheres e uma grande manifestação pelo centro da capital tunisiana.

Mesmo não havendo uma ênfase especial no mundo árabe, muitos tunisianos têm esperanças que o fórum seja um impulso para a democracia no país. A Tunísia luta contra extremistas e a crescente crise econômica. "Nosso processo democrático está progredindo lentamente, espero que o fórum possa contribuir para fazê-lo avançar", disse Cherbib.

Logística problemática

Zulieferung : Mirjam Gehrke Deutsche Welle Chefredaktion Regionen

Cherbib diz que o Fórum é impulso para a democracia

A ativista dos direitos das mulheres Halima Jouini engajou-se nos preparativos para o Fórum Social Mundial com o objetivo de intensificar o processo de transformação na Tunísia. "Queremos mudanças: mais justiça social, igualdade entre homens e mulheres e democracia", disse a ativista, que reforçou que a Tunísia nunca mais deve viver sob uma ditadura. "Esperamos que o fórum dê fôlego para continuarmos com a luta pela democracia e participação popular no governo", completou.

Essa é a primeira vez que a Tunísia recebe um evento de grande porte e os organizadores estão lutando contra uma série de problemas de logística. Parte do orçamento, de meio milhão de euros, prometido pelo governo e por doadores internacionais, ainda não foi pago. A acomodação para os participantes de países em desenvolvimento, que não podem pagar por um quarto de hotel, mostrou ser um grande desafio. Uma coisa, no entanto, funcionou a favor dos organizadores: a greve de três dias planejada pelos funcionários do aeroporto foi cancelada no último momento.

Leia mais