Fórum de Davos busca saídas para a crise | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 27.01.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Fórum de Davos busca saídas para a crise

Chefes de Estado e de governo, além de lideranças do setor econômico, reúnem-se no Fórum de Davos em busca de soluções para a crise. Críticos da globalização, no entanto, não acreditam na eficiência de tais soluções.

default

Encontro deste ano em Davos terá mais de 200 reuniões de trabalho

Em plena crise econômica, mais de 40 chefes de Estado e governo e mais de 1.400 representantes do setor econômico de 90 países estarão presentes no Fórum Econômico Mundial (FEM), que se inicia nesta quarta-feira (28/01) em Davos, na Suíça. A meta oficial do encontro é tão considerável quanto o número de participantes: "organizar o mundo após a crise".

O fórum deste ano está diante de um difícil desafio. Em meio a uma crise econômica, como se organiza um evento tão famoso por suas festas quanto pelas discussões de temas profundos?

Menos glamour, mais trabalho

Schweiz Wirtschaft Weltwirtschaftsforum in Davos Gebäude

Davos ficou famoso por festas e discussões

A resposta é adaptar-se à nova situação. Segundo a mídia suíça, as festas não serão tão pomposas. Em vez do brilho e do glamour, a seriedade deverá tomar conta do FEM. O premiê chinês, Wen Jiabao, deverá ser o primeiro entre os chefes de Estado e governo a discursar na próxima quarta-feira.

Entre os representantes europeus, viajarão a Davos, entre outros, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, o premiê britânico, Gordon Brown, e o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso.

Apesar de estrelas do cinema, autores, designers e arquitetos também estarem novamente presentes em Davos, o porta-voz do fórum, Mark Adams, declarou que o tom deste ano será bem diferente do glamour dos anteriores. "Sente-se uma necessidade de trabalhar mesmo. Há 230 reuniões de trabalho; e é por isso que as pessoas vêm ao encontro", afirmou o porta-voz.

Um dos grupos de trabalho se chamará "Update 2009: o retorno ao poder do Estado". O grupo se ocupará de como os governos podem assumir um papel mais importante no combate à crise. Outros temas do congresso serão energia, mudanças climáticas, livre comércio e ajuda ao desenvolvimento.

Brown adverte contra "desglobalização"

Großbritannien Premierminister Gordon Brown

Premiê Brown adverte contra 'desglobalização'

Pouco antes do Fórum Econômico Mundial (FEM), no entanto, o premiê britânico Gordon Brown advertiu do risco de uma eventual "desglobalização" econômica, que poderia ocorrer se nações não enfrentarem juntas a atual crise. Brown declarou, na última segunda-feira em Londres, que a economia mundial estaria vivenciando "as difíceis dores do parto de uma nova ordem mundial". Ele também afirmou que soluções nacionais somente fomentariam "o protecionismo financeiro" e teriam "consequências fatais para o crescimento".

Críticas ao encontro em Davos

Paralelamente ao Fórum Econômico Mundial, opositores da globalização estão reunidos, a partir desta terça-feira (27/01), no Fórum Social Mundial em Belém, no Pará. O encontro em Belém entende-se como uma resposta dos críticos da globalização ao FEM em Davos.

Alexis Passadakis, da Attac, organização crítica à globalização, acusou os participantes de serem corresponsáveis pela crise. Passadakis acredita que as soluções a serem encontradas em Davos só irão "transferir os prejuízos para parcelas da população que já vêm sofrendo com o atual sistema, nos anos de boom econômico".

Procurando soluções para a crise

No entanto, nem todos os especialistas veem de forma tão crítica o Fórum Econômico Mundial. Hans-Werner Sinn, presidente do Instituto de Pesquisas Econômicas (Ifo) de Munique, acredita que o FEM pode e deve incitar ideias para combater a crise.

"Pessoas importantes estarão presentes. Trata-se de um grêmio que se distingue do G-20 ou do G-8. É um grupo maior e, em princípio, relativamente aberto. Há representantes governamentais de todas as partes do planeta. Ou seja, deve-se escutar o que eles têm a dizer", explicou Sinn.

Leia mais