Exposição berlinense discute cultura da raiva na sociedade atual | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 19.03.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Exposição berlinense discute cultura da raiva na sociedade atual

Existe uma nova cultura da raiva como reação à crise política e econômica? Por meio de exposição, performances, textos e videoinstalações, a Casa das Culturas do Mundo, em Berlim, discute a raiva na sociedade atual.

default

Raiva é tema na sociedade atual

A mostra Sobre a raiva, que pode ser visitada de março a maio de 2010 na Casa das Culturas do Mundo (HKW), em Berlim, acolhe uma série de eventos com diversas temáticas e questionamentos sobre o tema da raiva na sociedade atual. Existe uma nova cultura da raiva que é fruto das crises político-econômicas? Onde se encontra a manifestação da raiva nas esferas da política e da arte?

Abordando essas questões, a mostra não permite uma contemplação rápida. Os espectadores não podem se colocar em posições confortáveis, apoiando-se em uma bancada. O público fica no meio dos acontecimentos.

Ausstellung Kultur der Wut

Imagem da mostra 'Sobre a raiva'

As curadoras da mostra Valerie Smith, Susanne Stemmler e Cordula Hamschmidt conceberam conjuntamente a temática da exposição e a interligação entre os projetos. Elas conseguiram obter uma diversidade de performances, pinturas irônicas, recitais e um extenso programa de filmes.

A exploração colonial, a destruição global, a aniquilação de diversas populações indígenas são os temas que percorrem as exposições. A abertura da mostra, na última sexta-feira (13/03), contou com performances da artista guatemalteca Regina José Galindo e do ator turco-alemão Birol Ünel.

Autotortura

Regina José Galindo, que geralmente usa o martírio do corpo e a autotortura nos seus trabalhos, é responsável pela performance Looting (Saque). A visão é difícil de aguentar: enquanto uma broca barulhenta tortura os ouvidos do público, a artista torna pública a extração do seu dente de ouro.

A referência ao saque do dente não foi por acaso. Segundo a artista, a performance simbolizaria o pavor da exploração colonial, buscando atingir a aliança entre a elite guatemalteca e os alemães, responsáveis pela exploração da sua pátria.

Segundo a artista, a Alemanha e a Guatemala possuem um relacionamento conflituoso de longa data, que teria início no final do século 19. "Um de nossos muitos ditadores incentivou os alemães a imigrarem para melhorar a raça", conta. Para ela, a imigração alemã ajudou a dividir a sociedade entre ricos e pobres, marginalizando as populações indígenas.

Ausstellung Kultur der Wut

Instalação na Casa das Culturas do Mundo

Kaya Behkalam

O trabalho de Kaya Behkalam, webdesigner berlinense, consiste em imagens recorrentes encenadas por atores de sete países diferentes. Eles discutem a revolução num filme com o título Images reloaded ( Imagens recarregadas).

A artista criou uma peça desconhecida sobre a revolução, em três atos, composta por uma colagem de diferentes posições "sobre Brecht e Heiner Müller, ou também textos dos Panteras Negras; na verdade, tudo o possível está misturado lá dentro, de forma que o contexto dessa revolução se perde completamente". Ao fim, "o que resta são slogans ou posicionamentos muito fortes", explica.

Debate sobre a raiva

Para debater o tema da raiva na sociedade, Susanne Stemmler e Cordula Hamschmidt também conceberam um programa com uma série de palestras. Os encontros ocorrem todas as quartas-feiras com discussões sobre manifestações atuais da raiva nas esferas políticas e filosóficas na era do pós-colonialismo.

A abertura dos debates foi realizada pela artista e filósofa Yana Milev. Em sua palestra, ela analisou a cultura de protesto no contexto do novo mercado globalizado e da urbanização.

Autora: Jutta Schwengsbier / Deyvis Drusian
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais