Ex-espião russo foi envenenado com agente nervoso | Notícias internacionais e análises | DW | 07.03.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Ex-espião russo foi envenenado com agente nervoso

Polícia britânica confirma tentativa de assassinato de Sergei Skripal, encontrado desacordado na Inglaterra. Ex-agente duplo e sua filha continuam hospitalizados em estado grave.

Polícia analisa local onde ex-espião foi encontrado

Polícia analisa local onde ex-espião foi encontrado

A polícia britânica afirmou nesta quarta-feira (07/03) que o ex-espião russo Sergei Skripal foi envenenado de forma "proposital" com um agente nervoso. As autoridades não divulgaram qual foi a substância usada na tentativa de assassinato e nem como ela foi administrada para não atrapalhar as investigações.

A Scotland Yard confirmou também que Skripal, de 66 anos, e sua filha Yulia, de 33, seguem em estado grave depois que entraram em contato com a substância tóxica no domingo passado na cidade inglesa de Salisbury, 120 quilômetros a oeste de Londres. Os dois foram encontrados inconscientes num banco próximo a um parquinho.

Segundo o chefe da unidade antiterrorista da polícia de Londres, Mark Rowley, um dos policiais que atendeu os dois no momento do incidente também se encontra hospitalizado em estado grave.

Sergei Skripal e sua filha Yulia

Skripal e a filha foram encontrados desacordados em banco próximo a um parquinho

Rowley afirmou ainda que centenas de agentes estão trabalhando para esclarecer o incidente e que o trabalho policial em Salisbury pode prolongar-se por vários dias.

A assessora médica oficial da Inglaterra, Sally Davies, disse que o ocorrido foi "horrível", mas assegurou que não representa um risco para a saúde e a segurança nacional.

Especialistas citados na imprensa britânica admitem como mais provável tratar-se de um produto químico, e não radioativo, que demoraria mais tempo a atuar. Em Salisbury, a polícia mantém fechados um restaurante num centro comercial e um pub nas proximidades do local onde Skripal esteve com a filha do incidente.

Agente duplo

Skripal é um antigo coronel da espionagem militar russa que foi condenado em 2006 a 13 anos de prisão por alta traição. Ele foi acusado de ter agido a partir dos anos 1990 como um agente duplo, colaborando com os serviços de espionagem britânicos do MI6.

Em 2010, ele foi solto em uma troca com espiões russos que haviam sido presos nos Estados Unidos, em um episódio que lembrou antigos casos ocorridos durante a Guerra Fria.

Após a troca, Skripal foi levado ao Reino Unido e se instalou em Salisbury, onde aparentemente levava uma vida tranquila. Segundo a imprensa britânica, havia a suposição de que ele teria recebido uma nova identidade, mas registros locais apontam que ele adquiriu uma casa usando seu nome verdadeiro.

O caso fez reavivar a memória no Reino Unido do envenenamento de outro ex-espião russo, Alexander Litvinenko, cuja morte em 2006 lançou luz sobre a perseguição a ex-agentes russos que procuraram refúgio no exterior. Litvinenko foi envenenado com a substância radioativa polônio-210, que foi colocada em uma xícara de chá em um hotel de Londres.

Na terça-feira, o ministro britânico do Exterior, Boris Johnson, admitiu a possibilidade de envolvimento da Rússia no caso. "Se a investigação demonstrar a responsabilidade de um Estado, o governo responderá de forma adequada e firme", disse Johnson na Câmara dos Comuns, num discurso em que qualificou a Rússia de "força nefasta e perturbadora em muitos aspetos".

Moscou nega envolvimento. A porta-voz do Ministério do Exterior russo, Maria Zakharova, considerou "tais declarações" inaceitáveis e frisou que há "normas, procedimentos, um inquérito, o respeito pela lei".

 CN/efe/lusa/rtr/afp

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais