Exército sírio inicia ofensiva terrestre em Aleppo | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 27.09.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Exército sírio inicia ofensiva terrestre em Aleppo

Após dias de intensos bombardeios, ofensiva por terra ocorre em várias frentes. Governo sírio anuncia avanço contra rebeldes e retomada do bairro de Al-Farafira, na parte antiga de Aleppo.

Residentes caminham entre destroços de Aleppo

Após bombardeios, Aleppo está em ruínas

Depois de dias de intensos bombardeios, o Exército sírio e seus aliados iniciaram nesta terça-feira (26/09) uma ofensiva terrestre em diversas frentes em Aleppo. Com a manobra, o regime de Bashar al-Assad recuperou o controle do bairro de Al-Farafira, na parte antiga da cidade, anunciou a agência de notícias estatal Sana.

Segundo a Sana, os militares, que contaram com o apoio de milícias do Iraque, Irã e Líbano, mataram vários rebeldes durante os combates e estão retirando da região, localizada ao noroeste da cidade, minas e explosivos deixados pelos opositores.

Os rebeldes afirmaram que as tropas estão avançando pelo norte e sul. O Observatório Sírio de Direitos Humanos confirmou o avanço das tropas, mas não disse em quais regiões acontecem os combates.

A ONG afirmou que grupos rebeldes lançaram projéteis contra o bairro de Al Fiai, controlado pelo regime. O ataque teria causado danos materiais.

Mísseis foram lançados em Nubul e Zahraa, que também estão sob o poder do governo.

A Sana noticiou ainda que o regime bombardeou alvos "terroristas" em Kafr Hamra, Andam, Hian. Os opositores disseram que vão lutar até o fim para defender as áreas conquistadas.

Cenário de destruição

Residentes de Aleppo afirmaram nesta terça-feira que os bombardeios diminuíram com o início da ofensiva terrestre. Mas os intensos ataques aéreos dos últimos dias deixaram marcas profundas. Moradores descrevem cenas de horror na maior cidade síria. Destroços de edifícios bloqueiam ruas e dificultam os trabalhos de regaste.

De acordo com o Observatório Sírio de Direitos Humanos, mais de 155 pessoas foram mortas em ataques aéreos desde o anúncio da ofensiva na semana passada.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) fez um alerta sobre a situação de instalações de saúde no leste da cidade que estão, na prática, "completamente destruídas". Apenas 30 médicos restaram nas áreas controladas por rebeldes e faltam medicamentos para atender aqueles que necessitam de tratamento.

A OMS pediu ainda que sejam criados na cidade corredores humanitárias para a evacuação de doentes e feriados. Estima-se que mais de 250 mil civis estejam retidos em áreas controladas por opositores de Assad.

Desde meados de 2012, rebeldes assumiram o controle do leste de Aleppo, enquanto tropas do governo mantiveram o domínio sobre o oeste da cidade.

A recente escalada de violência foi classificada pelos Estados Unidos e pelo Reino Unido como barbárie. Ambos os países acusaram Moscou de estar piorando a carnificina na Síria. A Rússia rechaçou a acusação e afirmou que esse tom poderia prejudicar o processo de paz do conflito, além das relações bilaterais.

CN/rtr/efe/afp/ap

Leia mais