Exército sírio anuncia retomada de Aleppo | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 22.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Exército sírio anuncia retomada de Aleppo

Militares afirmam ter recapturado toda a cidade das mãos dos rebeldes, marcando a maior vitória do governo Assad na guerra civil. Retirada de civis e combatentes de áreas da oposição chega ao fim.

O Exército sírio anunciou nesta quinta-feira (22/12) a retomada completa de Aleppo após o fim da evacuação de áreas da cidade que eram controladas por rebeldes. Trata-se da maior vitória do regime de Bashar al-Assad nos quase seis anos de guerra civil.

"Graças ao sangue de nossos mártires e ao sacrifício de nossas Forças Armadas corajosas e das forças aliadas, o comando geral das Forças Armadas anuncia o retorno da segurança a Aleppo, depois de libertá-la do terrorismo e de terroristas e da partida daqueles que ainda estavam lá", disseram os militares em comunicado.

O anúncio foi feito logo após a emissora de televisão estatal síria reportar a partida do último comboio que retirava civis e insurgentes do leste da cidade. O fim da evacuação foi confirmado também por rebeldes e pela ONG Observatório Sírio de Direitos Humanos. 

A Cruz Vermelha disse que mais de 4 mil insurgentes deixaram a cidade na última fase da evacuação.  Pelo menos 34 mil pessoas, incluindo civis e combatentes, foram retirados de Aleppo na operação, que durou cerca de uma semana em meio ao frio intenso.

"O processo de evacuação foi traumático, com pessoas vulneráveis esperando por horas e expostas a temperaturas negativas", descreveu o porta-voz da ONU, Farhan Haq.

As Nações Unidas alertaram ainda que muitas das pessoas que deixaram a cidade podem enfrentar o mesmo destino nas regiões para onde foram transferidas. "Muitos foram para Idlib, que na teoria pode ser a próxima Aleppo", disse o enviado especial da ONU à Síria, Staffan de Mistura.

Ele destacou que o fim das hostilidades entre o governo e rebeldes é essencial para evitar batalhas sangrentas como as que ocorreram em Aleppo. 

Guerra longe do fim

Assad declarou que a guerra está longe de acabar e que as forças de segurança lançarão ofensivas nas regiões onde restam insurgentes. O presidente sírio compartilhou nesta quinta-feira a vitória com seus aliados: a Rússia e o Irã. A Força Aérea russa realizou centenas de bombardeios nas áreas de Aleppo que eram controladas pelos rebeldes, enquanto milícias apoiadas pelo Irã e lideradas pelo grupo libanês Hisbolá enviaram milhares de combatentes à cidade.

Aleppo estava divida desde 2012, quando grupos rebeldes assumiram o controle de áreas no leste da cidade. A retirada de civis e insurgentes foi acordada entre governo e combatentes da oposição depois de uma longa ofensiva militar, na qual o regime já havia recuperado mais de 90% das áreas conquistadas por insurgentes.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos afirmou que a guerra no país deixou mais de 312 mil mortos desde março de 2011, incluindo 90 mil civis, entre os quais 16 mil crianças.

O número de mortos inclui mais de 53 mil rebeldes e cerca de 110 mil combatentes pró-regime, entre forças do governo e milicianos, também estrangeiros. A ONG disse ainda que 55 mil jihadistas foram mortos em combates.

CN/rtr/afp/ap

Leia mais