Europa usa ″receitas fracassadas″ para combater a crise, afirma Dilma | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 27.01.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Europa usa "receitas fracassadas" para combater a crise, afirma Dilma

Durante o Fórum Social Temático, em Porto Alegre, presidente diz que anos 80 e 90 foram décadas perdidas para a América Latina devido a "preconceitos ideológicos que provocaram estagnação e aprofundaram a pobreza".

default

Dilma discursa no FST

Durante sua participação no Fórum Social Temático (FST) 2012, nesta quinta-feira (26/01), em Porto Alegre, a presidente Dilma Rousseff afirmou que o evento é importante para a renovação de ideias que poderão ajudar no enfrentamento da atual crise econômica mundial. "Hoje vejo receitas fracassadas serem propostas na Europa", afirmou.

Segundo a presidente, que se disse insatisfeita com os resultados obtidos no último encontro do G20, em Cannes, na França, "não é fácil produzir novas ideias quando estamos dominados por preconceitos ideológicos". Ela discursou no ginásio Gigantinho para cerca de 6 mil pessoas, a maioria pertencente a movimentos sindicais e partidos políticos, como o PT e aliados.

E exemplificou ao lembrar do período histórico conhecido como "década perdida", no qual a América Latina enfrentou sérios problemas econômicos. "Nos anos de 1980 e 1990 foram preconceitos políticos e ideológicos que provocaram a estagnação, aprofundando a pobreza e o desemprego", disse a presidente.

Para Rousseff, a realização do FST poucos meses antes da Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20 – que acontecerá em junho, na cidade do Rio de Janeiro –, adquire importância estratégica diante das incertezas que atingem o mundo. "O desenvolvimento precisa ter na sustentabilidade ambiental uma condição imprescindível", enfatizou.

"Hoje o Brasil é mais forte, mais desenvolvido e mais responsável graças aos esforços do povo brasileiro e de seu governo. De acordo com a ONU, somos o país que mais tem feito pela redução da emissão dos gases que provocam o efeito estufa e já conseguimos tirar 40 milhões de pessoas da miséria", destacou a presidente.

Rio+20

Um pouco antes do seu pronunciamento, a presidente reuniu-se num hotel, no centro de Porto Alegre, com o Comitê Internacional do Fórum Social Mundial. Participaram do encontro, que teve como objetivo pautar os temas da Rio+20, aproximadamente cem representantes de organizações sociais de todo o mundo.

Segundo o integrante do Comitê Organizador do FST e da Comissão Nacional da Rio+20, Mauri Cruz, o fato de a presidente ter prestigiado o FST e não ter ido ao Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, dá bons indícios de que as propostas levantadas durante o evento recebam o apoio do governo brasileiro. "Somente com a pressão da sociedade e com o apoio dos governos conseguiremos fazer com que as ideias levantadas aqui saiam do papel", disse.

O FST se inscreve no processo do Fórum Social Mundial (FSM) e corresponde a uma etapa preparatória à Rio+20. O evento segue até este domingo em Porto Alegre, Canoas, São Leopoldo e Novo Hamburgo, com foco na crise do capitalismo e justiça social e ambiental.

Ainda este ano devem acontecer mais 25 eventos do FSM– que acontece de forma descentralizada nos anos pares e centralizada nos anos ímpares– em outras partes do mundo, como Espanha, Canadá e Tunísia.

Autora: Caroline Eidt, de Porto Alegre
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais