EUA vão doar 60 milhões de doses da vacina da AstraZeneca a outros países | Notícias internacionais e análises | DW | 27.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

EUA vão doar 60 milhões de doses da vacina da AstraZeneca a outros países

Imunizante não foi aprovado no país e, portando, não está sendo usado. Críticos acusam EUA de acumularem vacinas. Índia pode ser um dos destinos.

Pessoas com máscara agaurdam em uma fila

Mais da metade dos adultos nos EUA já recebeu ao menos uma dose de vacinas contra a covid-19

Os Estados Unidos vão doar a outros países 60 milhões de doses da vacina contra covid-19 desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca em parceria com a universidade de Oxford, anunciou nesta segunda-feira (26/04) a Casa Branca.

"Os EUA devem liberar 60 milhões de doses da AstraZeneca para outros países assim que estiverem disponíveis", escreveu no Twitter Andy Slavitt, conselheiro da Casa Branca no grupo de resposta à pandemia.

A vacina da AstraZeneca é aprovada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e está sendo aplicada na União Europeia, no Brasil e em outros países. No entanto, ainda não foi aprovada pela Administração de Alimentos e Medicamentos americana (FDA na sigla em inglês) e, por isso, não está sendo usada no país. Desta forma, milhões de doses estocadas nos EUA serão inspecionadas pela FDA, que vai determinar se elas são seguras para envio ao exterior.

De acordo com a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, os EUA já têm vacinas suficientes de outros fornecedores para imunizar a população e, por isso, não precisam das doses da AstraZeneca. Segundo ela, por enquanto, a expectativa é que os EUA liberem as primeiras 10 milhões de doses nas próximas semanas e outras 15 milhões até junho.

Os países destinatários ainda não foram decididos, mas, ao que tudo indica, a Índia é um dos principais candidatos. O presidente americano, Joe Biden, telefonou para o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, prometendo apoio dos EUA para combater a terceira onda de covid-19 que se alastra pelo país asiático, provocando o colapso dos sistemas de saúde, com falta de oxigênio e de medicamentos. 

"Hoje, falei com o primeiro-ministro Narendra Modi e prometi total apoio da América para fornecer assistência emergencial e recursos na luta contra covid-19", escreveu Biden no Twitter.

Os EUA vão colocar à disposição da Índia matérias-primas que são "urgentemente necessárias para fabricar a vacina Covishield", produzida pelo Instituto Serum com tecnologia de Oxford e AstraZeneca.

Ashish Jha, reitor da Escola de Saúde Pública da Brown University, disse que um dos principais obstáculos para o envio de doses da AstraZeneca para o exterior é a questão da responsabilidade legal, já que o contrato original foi formulado entre a empresa e os Estados Unidos. No entanto, a questão poderia ser resolvida.

Críticos acusam Washington de "acumular" a vacina que poderia estar sendo usada para salvar vidas ao redor do mundo. Em março, sob pressão, o governo Biden disse que enviaria cerca de 4 milhões de doses da vacina ao Canadá e ao México.

De acordo com a Casa Branca,52% dos adultos já receberam ao menos uma dose de vacinas contra a covid-19. Na semana passada, o governo Biden ultrapassou a meta de aplicar 200 milhões de doses em seus primeiros 100 dias de governo.

le (efe, reuters)

Leia mais