EUA rompem laços com OMS por ″má gestão″ da pandemia | Notícias internacionais e análises | DW | 29.05.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

EUA rompem laços com OMS por "má gestão" da pandemia

Presidente Trump diz que Organização Mundial da Saúde rejeitou as reformas propostas por Washington, e acusa entidade, da qual seu país era o maior financiador, de estar sob "controle total" da China.

Estamos encerrando nossas relações com a Organização Mundial da Saúde, afirmou Donald Trump

"Estamos encerrando nossas relações com a Organização Mundial da Saúde", afirmou Donald Trump

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta sexta-feira (29/05) que seu governo decidiu romper os laços do país com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Ele justificou a decisão ao afirmar que a entidade fracassou ao lidar com a pandemia de covid-19 e se baseou demasiadamente em informações fornecidas pela Chína, país de onde surgiu o novo coronavírus.

"Uma vez que eles fracassaram em fazer as reformas pedidas e imensamente necessárias, estamos encerrando hoje as nossas relações com a Organização Mundial da Saúde", afirmou Trump em pronunciamento à imprensa na Casa Branca, no qual ele não aceitou perguntas dos jornalistas.

No dia 14 de abril, Trump havia ordenado a suspensão temporária do financiamento de seu país à OMS, da qual os EUA eram os maiores doadores, e criticou o que chamou de "má gestão e acobertamento da propagação do coronavírus".

Na semana passada, Trump deu prazo de 30 dias para a OMS avançar uma série de reformas, que não foram especificadas publicamente, e advertiu que se isso não ocorresse ele iria cortar permanentemente as contribuições financeiras e desligar seu país da instituição.

Trump, porém, não esperou muito tempo para adotar essas decisões, afirmando nesta sexta-feira que a OMS se recusou a aceitar as reformas pedidas por Washington.

O anúncio significa a suspensão permanente da contribuição americana para a organização, cujo valor estimado é de entre 400 milhões e 500 milhões de dólares por ano, o que equivale aproximadamente 15% do orçamento total da organização.

"A China tem controle total sobre a OMS, apesar de pagar apenas 40 milhões de dólares por ano, enquanto os EUA pagam aproximadamente 450 milhões", afirmou Trump,

Diante da perspectiva de perder seu maior contribuinte, a OMS inaugurou nesta semana uma fundação de gestão independente através da qual poderá receber doações de pessoas físicas, empresas ou outras fontes.

A pandemia de covid-19 já fez mais de 101 mil vítimas nos EUA, com 1,7 milhão de casos confirmados.

RC/afp/lusa/rtr

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais