EUA planejam expulsões em massa de migrantes acampados sob ponte | Notícias internacionais e análises | DW | 18.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Estados Unidos

EUA planejam expulsões em massa de migrantes acampados sob ponte

Milhares de pessoas, a maioria haitianas, se aglomeram em acampamento improvisado no Texas, perto da fronteira com o México. Governo Biden pretende enviar migrantes em vários voos diários ao Haiti, afirmam fontes.

Milhares de migrantes se aglomeram debaixo de ponte internacional em Del Rio, no Texas

Milhares de migrantes se aglomeram debaixo de ponte internacional em Del Rio, no Texas

O governo dos Estados Unidos planeja enviar aviões cheios de migrantes ao Haiti a partir deste domingo (19/09), em resposta ao grande fluxo de pessoas – a maioria haitianas – que cruzaram a fronteira americana a partir do México e estão acampadas sob uma ponte no Texas.

A administração do presidente Joe Biden, que suspendeu as deportações para o Haiti em julho, devido à crise política provocada pelo assassinato do então presidente haitiano Jovenel Moïse, deverá anunciar a nova estratégia ainda neste sábado, afirmou o jornal The Washington Post.

Autoridades americanas com conhecimento dos planos disseram ao jornal que o Departamento de Segurança Interna dos EUA pretende organizar até oito voos diários com destino ao Haiti.

Por sua vez, uma fonte disse à agência de notícias AP que a capacidade operacional e a boa vontade do governo haitiano determinariam o número de voos diários, mas que um "bom progresso" estava sendo feito. Outra autoridade afirmou à mesma agência que esperava no máximo dois voos por dia e que todos os migrantes seriam testados para a covid-19 antes de embarcar.

Milhares de migrantes – autoridades falam em quase 14 mil – se aglomeram num acampamento improvisado embaixo de uma ponte internacional que liga as cidades de Del Rio, no estado americano do Texas, e Ciudad Acuña, no México, em condições precárias, ameaçando criar uma nova crise humanitária.

Os migrantes têm atravessado a fronteira para os Estados Unidos desde terça-feira, sobrecarregando os guardas fronteiriços, que criaram o acampamento sob a ponte internacional de Del Rio para alocar essas pessoas enquanto processam seus pedidos de refúgio.

Em meio ao fluxo, autoridades americanas fecharam na sexta-feira o tráfego para veículos e pedestres em ambas as direções da ponte, a única passagem fronteiriça em Del Rio.

Migrantes usam barragem para atravessar a fronteira do México com os Estados Unidos

Migrantes usam barragem para atravessar a fronteira do México com os Estados Unidos

Situação caótica

Lewis Owens, juiz do condado de Val Verde, que inclui Del Rio, afirmou que a grande maioria dos migrantes acampados sob a ponte são haitianos, e algumas famílias já estão ali há seis dias. Pilhas de lixo atingem mais de três metros de largura, e pelo menos duas mulheres deram à luz, incluindo uma que testou positivo para a covid-19 após ser levada para um hospital, disse o juiz.

O xerife do condado, Frank Joe Martinez, estima que cerca de 13.700 pessoas estejam aglomeradas no acampamento improvisado na fronteira, um número que ainda pode aumentar: segundo ele, mais haitianos estão viajando pelo México de ônibus em direção ao Texas.

Em comunicado, a Patrulha de Fronteiras afirmou que enviará mais oficiais para enfrentar a situação de forma "segura, humana e ordeira".

Ainda segundo o órgão, os migrantes foram colocados à sombra da ponte "para prevenir doenças relacionadas com o calor". Água potável, toalhas e instalações sanitárias portáteis foram postos à sua disposição, garante a nota.

Uma vez detidos, "a grande maioria dos adultos que vieram sozinhos e muitas famílias serão mandados de volta, devido a uma regra sanitária" adotada no início da pandemia de covid-19 para reduzir a propagação do vírus, conclui o comunicado.

Fluxo migratório histórico

Os EUA têm registrado fluxos migratórios históricos na fronteira com o México. Mais de 200 mil migrantes chegaram ali em agosto, segundo os mais recentes dados oficiais, o que eleva para mais de 1,5 milhão o número de chegadas ilegais num ano, o mais alto das últimas duas décadas.

A oposição republicana acusa há meses o presidente Biden de ter provocado uma "crise migratória", ao aliviar as duras medidas anti-imigração de seu antecessor, Donald Trump. Na quinta-feira, o senador republicano Ted Cruz foi a Del Rio denunciar "um desastre causado por Biden".

ek (AP, Reuters, Efe, Lusa, ots)

Leia mais