1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Alexander Lukaschenko
Presidente belarusso Alexander Lukashenko: pressão cresce sobre governante após prisão de opositorFoto: Sergei Shelega/BelTA/AP/picture alliance
PolíticaBelarus

EUA anunciam sanções contra Belarus por desvio de voo

29 de maio de 2021

Casa Branca diz que elabora com a União Europeia uma lista de medidas punitivas contra membros-chave do governo do país, liderado por Alexander Lukashenko, o "último ditador da Europa".

https://www.dw.com/pt-br/eua-anunciam-san%C3%A7%C3%B5es-contra-belarus-por-desvio-de-voo-para-prender-oposicionista/a-57713247?maca=bra-rss-br-all-1030-rdf

Os Estados Unidos anunciaram que vão impor uma série de sanções contra Belarus após o desvio de um avião da Ryanair no domingo e a prisão de um opositor que estava no voo.

Além das medidas já anunciadas nas últimas semanas, a Casa Branca disse em nota divulgada nesta sexta-feira (28/05) que está elaborando com a União Europeia "uma lista de sanções direcionadas contra membros-chave do regime de (Alexander) Lukashenko".

A porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, classificou como "um desafio direto aos padrões internacionais" o que disse ser um "desvio forçado por Belarus, sob falsos pretextos, de um voo comercial da Ryanair que circulava entre dois Estados membros da União Europeia" e a prisão do jornalista Roman Protasevich.

Sanções econômicas contra nove empresas estatais bielorrussas, impostas novamente em abril após a repressão aos manifestantes pró-democracia, entrarão em vigor em 3 de junho.

Após as disputadas eleições de 2006, Washington proibiu todas as transações com essas empresas. Posteriormente, o Departamento do Tesouro dos EUA suspendeu essas sanções em 2015, saudando alguns avanços, mas o governo dos EUA avisou no final de março que a suspensão não poderia ser renovada no próximo prazo.

A Casa Branca também emitiu um alerta desaconselhando seus cidadãos a viajarem a Belarus e alertou os aviões americanos a "terem extrema cautela" ao considerarem sobrevoar o espaço aéreo de Belarus.

Além disso, confirmou que o Departamento de Justiça, incluindo o FBI, está investigando o incidente, em cooperação com seus homólogos europeus.

UE estuda novas medidas

A União Europeia, por sua vez, está estudando a possibilidade de novas sanções contra Belarus, que podem ter como alvo as exportações de potássio e o trânsito do gás russo, duas importantes fontes de receita para o país, informou nesta quinta-feira o chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell.

Bruxelas pediu às companhias aéreas que evitem Belarus.

Ativistas e governos ocidentais acreditam que o avião foi forçado a pousar em Minsk para que as autoridades pudessem retirar da aeronave o blogueiro e crítico do regime Roman Protasevich e sua parceira.

O incidente levou a UE a impor novas sanções contra Belarus e a alertar as empresas aéreas do bloco a evitar o espaço aéreo do país. Diversas companhias suspenderam rotas com destino a Minsk e outras cidades.

Resposta russa

Em uma aparente represália às reações do Ocidente, as autoridades russas começaram a recusar as permissões que as aeronaves europeias precisam para entrar no país, levando à suspensão de alguns voos cujas rotas seriam desviadas para evitar o espaço aéreo belarusso.

Durante encontro com Lukashenko na Rússia, o presidente russo, Vladimir Putin, expressou apoio ao líder belarusso afirmando ter sido "exagerada" que a reação "emotiva" das autoridades ocidentais ao ocorrido. Putin disse ainda que Belarus e a Rússia se empenham em construir uma "união". Putin é tido como um último aliado do chamado "último ditador da Europa".

Aterrissagem em Minsk

Com a ajuda de um caça, Belarus forçou o avião da Ryanair a fazer a escala. O voo, que atravessava o espaço aéreo belarusso, fazia a rota de Atenas a Vilnius, na Lituânia, onde Protasevich vive como exilado.

Minsk afirma que o avião foi desviado devido a uma ameaça de bomba e que a prisão de Protasevich e de sua namorada, Sofia Sapega, foi casual, tendo ocorrido durante a revista dos passageiros do voo.

Em pronunciamento no Parlamento belarusso, o presidente Alexander Lukashenko disse que agiu dentro da lei e acusou o Ocidente de lançar uma "guerra híbrida moderna" contra Minsk. "Agi em conformidade com a lei na defesa das pessoas, de acordo com todas as normas internacionais", garantiu, alegando que havia uma ameaça de bomba no voo da Ryanair.

md (AFP, Reuters)