EUA anunciam início de retirada de tropas da Síria | Notícias internacionais e análises | DW | 19.12.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

EUA anunciam início de retirada de tropas da Síria

Trump afirma que presença de 2.000 militares americanos no país não é mais necessária porque o "Estado Islâmico" teria sido derrotado. Críticos da decisão afirmam que ela equivale a uma traição aos aliados curdos.

Syrien Angriffe US-geführte Koalition in Hajin (Getty Images/AFP/D. Souleiman)

Veículos militares americanos na Síria. Segundo o Pentágono, o EI só controla 1% do território que chegou a dominar em 2014

A Casa Branca comunicou nesta quarta-feira (19/12) que os Estados Unidos começaram a retirada de suas tropas da Síria, depois que o presidente americano, Donald Trump, declarou a derrota do grupo terrorista "Estado Islâmico" (EI) no país árabe.

Oficialmente, 2.000 soldados americanos atuam no país. Seu papel principal é apoiar forças locais, em especial grupos curdos no norte sírio, no combate ao grupo terrorista. Assessores militares de Trump contrários à decisão afirmam que ela equivale a uma traição aos curdos, principais aliados locais dos americanos.

"Começamos a trazer para casa as tropas dos EUA conforme passamos à fase seguinte desta campanha", disse a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders. Ela disse que, "há cinco anos, o EI era uma força muito poderosa e perigosa no Oriente Médio, e agora os EUA derrotaram o califado territorial".

No entanto, ela ressaltou que a retirada de tropas americanas da Síria não significa o fim da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos. Segundo Sanders, o governo americano continuará trabalhando com aliados para "negar território, financiamento e apoio aos terroristas islâmicos", bem como "quaisquer meios de infitração" pelas fronteiras americanas.

Sanders acrescentou que os EUA e seus parceiros "estão prontos para voltar a se unir em todos os níveis para defender os interesses de americanos onde for necessário".

Antes, Trump havia afirmado no Twitter que a "única razão" para permanecer na Síria era a derrota do EI, um objetivo que seu governo considera cumprido depois de ter tirado dos extremistas o controle de quase todo o território que ocuparam em 2014. "Derrotamos o EI na Síria, a única razão para estar lá durante a presidência de Trump", escreveu o presidente na rede social.

Veículos de imprensa americanos tinham antecipado, citando funcionários do Pentágono, que Trump havia decidido retirar logo da Síria todos os 2.000 soldados americanos no país.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou que respeita a decisão americana de se retirar da Síria e advertiu que seu país "se protegerá" diante da nova situação.

Trump repetiu em diversas ocasiões que sua prioridade na Síria era erradicar o EI e abandonou a ideia de forçar uma transição que force a saída do presidente sírio, Bashar al-Assad.

Segundo o Pentágono, o EI só controla 1% do território que chegou a dominar em 2014, quando proclamou um califado na Síria e no Iraque.

Apesar de retirar suas tropas da Síria, os EUA manteriam seus soldados no Iraque, o que permitiria lançar ataques em solo sírio.

JPS/efe/ap/dpa

----------------------------------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais