Etiópia diz que tomou controle da capital de região dissidente | Notícias internacionais e análises | DW | 28.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

África

Etiópia diz que tomou controle da capital de região dissidente

Primeiro-ministro anuncia "controle total" do exército sobre Mekele, sinalizando fim do conflito armado entre governo federal e região rebelde do Tigré. Crise deixou vários mortos e deslocou um milhão de pessoas.

O primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, anunciou neste sábado (28/11) que o exército federal assumiu o controle total de Mekele, capital da região dissidente do Tigré, o que pode significar o fim do conflito que atinge o país africano desde o início deste mês.

O anúncio do premiê – ganhador do Prêmio Nobel da Paz no ano passado por um acordo de paz de 2018 com a Eritreia – ocorre dois dias após as autoridades etíopes terem ordenado um ataque final aos rebeldes da região, aos quais declarou guerra em 4 de novembro.

"O governo federal agora tem o controle total da cidade de Mekele, o que marca o encerramento da última fase da ENDF [Força de Defesa Nacional Etíope, nome das Forças Armadas do país]. A polícia federal continuará agora sua tarefa de prender os criminosos da Frente de Libertação dos Povos do Tigré (TPLF) e levá-los a tribunal", declarou Abiy em sua conta no Twitter.

O primeiro-ministro disse ainda que, depois de o exército federal ter "concluído com sucesso a operação", a missão do governo agora será "reconstruir o que foi destruído, reparar o que foi danificado, devolver para as suas casas aqueles que fugiram, com a prioridade máxima de devolver a normalidade ao povo da região do Tigré".

Na manhã deste sábado, o governo regional do Tigré informou que, desde o dia anterior, as forças do premiê Abiy e da Eritreia vinham bombardeando a região com artilharia pesada, denunciando ainda que civis e infraestrutura foram alvos dos ataques.

O primeiro-ministro, por sua vez, afirmou no Twitter que a operação na capital regional, uma cidade densamente povoada com meio milhão de pessoas, foi concluída "sem ferir civis e sem danificar a estrutura ou patrimônio histórico".

Com as comunicações cortadas na região, porém, é difícil verificar as informações dadas pelo governo da Etiópia e os líderes regionais. Organizações humanitárias confirmaram os bombardeios em Mekele, o que suscitou imediatamente preocupações sobre mortes de civis.

A operação militar em Mekele foi lançada neste sábado, tendo como alvo líderes da Frente de Libertação dos Povos do Tigré (TPLF, na sigla em inglês), que governa a região montanhosa. O premiê Abiy acusa o grupo de traição e terrorismo.

As Nações Unidas disseram que alguns residentes fugiram quando os militares chegaram às portas da cidade.

Abiy havia se reunido na sexta-feira com os ex-presidentes africanos Joaquim Chissano, de Moçambique, Ellen Johnson-Sirleaf, da Libéria, e Kgalema Motlanthe, da África do Sul, enviados pela União Africana para mediar nesta guerra.

Contudo, desde o começo o líder etíope descartou o diálogo com "partidos políticos que operam ilegalmente na região", referindo-se à TPFL, que chegou a dominar a coalizão governamental do país mas foi posta de lado por Abiy. Cada governo considera o outro como ilegal.

A região do Tigré tem estado quase inteiramente isolada do mundo desde 4 de novembro, quando o primeiro-ministro anunciou uma ofensiva militar em resposta a um ataque da TPLF a uma base militar. As organizações humanitárias disseram que centenas de pessoas foram mortas.

Os combates ameaçaram desestabilizar a Etiópia, que tem sido descrita como o elemento-chave na estratégia do Chife da África.

Com as vias de transporte cortadas, os alimentos e outros abastecimentos estão prestes a esgotar no Tigré, região onde habitam seis milhões de pessoas, e as Nações Unidas pediram acesso imediato e sem entraves para ajuda.

Cerca de um milhão de pessoas foram deslocadas na região, informou a ONU neste sábado, citando as autoridades locais.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, "expressou a sua grande preocupação com as consequências do conflito etíope para a população civil e com a propagação do discurso do ódio e dos relatos de perfil étnico", segundo seu gabinete.

As crises múltiplas estão crescendo. Mais de 43.000 refugiados já fugiram para o Sudão, onde as pessoas lutam para obter comida, abrigo e cuidados. 

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha diz que os hospitais do Tigré estão ficando sem medicamentos. E os combates, perto dos campos que abrigam 96.000 refugiados eritreus, no norte da Etiópia, colocaram-nos na linha de fogo.

EK/afp/dpa/efe/lusa/rtr

Leia mais