″Estamos em guerra″, afirma presidente do Chile | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 21.10.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

América Latina

"Estamos em guerra", afirma presidente do Chile

Em meio a intensos protestos, Sebastián Piñera diz que país enfrenta "inimigo poderoso e implacável". Governo põe milhares de soldados nas ruas de Santiago e outras cidades para conter atos, que já contam 11 mortos.

Manifestações contra aumento da passagem de metrô trouxeram à tona insatistação com descasos do governo

Manifestações contra aumento da passagem de metrô trouxeram à tona insatistação com descasos do governo

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, disse que seu país está em estado de guerra após três dias de manifestações violentas,  saques e distúrbios que deixaram 11 mortos e quase 1,5 mil pessoas presas. O país vive a maior onda de protestos em décadas, que se concentram em Santiago e ocorrem também em outras cidades. Foi declarado estado de emergência na capital e em nove das 16 regiões chilenas.

Os manifestantes começaram a ir às ruas contra o aumento da passagem de metrô, de um valor equivalente a US$ 1,12 para US$ 1,16. O governo suspendeu a medida, mas isso não foi suficiente para arrefecer os protestos, que ganharam novas demandas.

Após o estopim inicial, vieram à tona várias reivindicações que revelam o descontentamento de parte significativa da população com o que muitos consideram descaso do governo.

"Estamos em guerra contra um inimigo poderoso, implacável, que não respeita ninguém e está disposto a usar a violência e a delinquência sem limite algum", disse o presidente na noite deste domingo (20/10), após se reunir com o general do Exército Javier Iturriaga, encarregado da ordem e da segurança em Santiago.

"Não será fácil, mas vamos ganhar essa batalha", afirmou Piñera na guarnição militar de onde monitorava a situação junto a outras autoridades. Ele prometeu que seu governo fará tudo que estiver a seu alcance para que as pessoas possam retomar suas vidas normais.

"Destruíram o metrô, que é vital para as pessoas", declarou o presidente. "Se concentraram em destruir supermercados para privar as pessoas do direito de se abastecerem. Tentaram queimar hospitais." Ele assegurou que o governo trabalha para garantir o abastecimento e a abertura do comércio, escolas e jardins de infância.

As 27 estações de metrô da linha 1, uma das sete que formam a rede de metrô da cidade, foram reabertas nesta segunda-feira. Desde o início dos protestos, 78 estações e vários vagões sofreram danos contabilizados em mais de 300 milhões de dólares pela empresa estatal que administra a rede de transportes. No aeroporto da capital, centenas de voos foram cancelados.

"Este é um problema entre os que querem liberdade, democracia e viver em paz e os que querem destruir nosso país, e vamos ganhar essa batalha", reiterou o presidente.

Não será fácil, mas vamos ganhar essa batalha, disse o presidente do Chile, Sebastián Piñera, sobre os protestos

"Não será fácil, mas vamos ganhar essa batalha", disse o presidente do Chile, Sebastián Piñera, sobre os protestos

Nesta segunda-feira, a prefeita de Santiago, Karla Rubilar, anunciou que o número de mortos desde o início dos protestos subiu para 11, sendo três no sábado e oito no domingo. Entre as vítimas, cinco pessoas morreram num incêndio em uma fábrica têxtil no norte de Santiago, alvo de saques. Outras duas pessoas morreram num incêndio em um supermercado no sul da capital, que também estava sendo roubado.

No domingo, Santiago amanheceu amplamente patrulhada pelas Forças Armadas, uma aposta do governo Piñera para conter as manifestações. É a primeira vez que a capital é patrulhada por soldados desde o fim da ditadura do general Augusto Pinochet, em 1990.

A cidade e outras regiões do país, como Valparaíso (centro) e Concepción (sul), estão sob toque de recolher, após o governo ter decretado estado de emergência. Segundo Piñera, cerca de 9.500 militares e policiais fazem patrulha em Santiago e outras nove regiões.

Há apenas poucos dias esta era uma situação inimaginável no Chile, inclusive com o presidente tendo afirmado recentemente que seu país era um "oásis de estabilidade" na região.

As manifestações ganharam corpo nas redes sociais com frases como "chega de abusos" e a hashtag #ChileDespertó. Muitas pessoas reclamam que o acesso à saúde e à educação está na mão de empresas privadas, em meio a uma forte desigualdade social, redução nas aposentadorias e aumento nos custos dos serviços essenciais. Os estudantes convocaram novas manifestações para esta segunda-feira.

Os protestos ocorrem pouco antes de alguns eventos internacionais de grande porte marcados para ocorrer no país. Em meados de novembro, a capital receberá a reunião de líderes do Fórum de Cooperação Ásia-Pacífico (Apec) e, em dezembro, a Conferência do Clima da ONU, a COP 25.

RC/afp/efe/ots/rtr

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Leia mais