″Estamos desamparados″, dizem familiares de desaparecidos na tragédia em Brumadinho | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 26.01.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

"Estamos desamparados", dizem familiares de desaparecidos na tragédia em Brumadinho

Buscas continuam e faculdade se transforma em IML provisório, em novo rompimento de barragem de rejeitos de mineração da Vale, três anos após Mariana. "Minas Gerais não aprendeu com suas tragédias", diz especialista.

Helicóptero sobrevoa área de desastre da Vale em Brumadinho

Número de vítimas cresce, à medida em prosseguem buscas

Durante toda a madrugada deste sábado (26/01), moradores de Brumadinho, Minas Gerais, buscavam aflitos informações de familiares que não deram mais notícias desde o rompimento da barragem da Vale na cidade.

"O último contato com ele foi um pouco antes do anúncio da tragédia. Não consegui nenhuma informação", disse um morador à DW Brasil. Ele aguardava detalhes do irmão, técnico de segurança de trabalho da Vale, que trabalhava na hora do rompimento.

"Estamos desamparados", gritou uma mulher que preferiu não ser identificada. O marido dela estava no escritório da mineradora ao lado do refeitório completamente destruído pelo enxurrada de lama.

Durante toda a noite, muitos se concentraram em frente ao ponto de apoio na faculdade da cidade. Mais tarde, uma conversa entre oficiais revelou que o local se transformaria num Instituto Médico-Legal provisório.

Um pouco antes das 14h00 de sexta-feira, a barragem B1 da Mina Córrego do Feijão, parte do complexo Paraopeba, rompeu-se e liberou todo o rejeito da produção de minério de ferro acumulado por 38 anos. Construída em 1976, ela armazenava 11,7 milhões de metros cúbicos.

Naquele momento, 300 funcionários trabalhavam na empresa, afirmou Fábio Schvartsman, presidente da Vale, em coletiva de imprensa. Ainda não se sabe quantos escaparam com vida.

"Não sabemos o que aconteceu com a barragem. É muito cedo para ter essa informação", disse Schvartsman. Mas "a tragédia humana será muito maior do que foi Mariana", sentenciou.

Em novembro de 2015, mais de 50 milhões de metros cúbicos destruíram vilarejos e provocaram a morte de 19 pessoas após o colapso da barragem de Fundão, da Samarco, controlada pela Vale e BHP.

Ninguém foi preso como responsável por aquela que foi a maior catástrofe ambiental do Brasil. Três anos depois, os atingidos ainda aguardam a reparação dos danos.

Tragédia às vésperas da expansão

"Ficou comprovado hoje que o sistema ambiental em Minas Gerais virou uma indústria de desastres", critica Klemens Laschefski, pesquisador da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Laschefski acompanhou o polêmico processo de licenciamento de expansão do complexo em Brumadinho, obtido há pouco mais de um mês. Numa audiência pública tumultuada, o projeto foi "reclassificado" sem a devida explicação durante a sessão: passou de grande porte, que exige aprovação em três fases, para menor complexidade.

"Todos esperavam mais estudos ambientais para liberar. Mas o projeto foi aprovado às pressas, com manobras e malabarismos burocráticos", critica o pesquisador. "Minas Gerais não aprendeu com suas tragédias."

Depois de acompanhar de perto os impactos do desastre de Mariana, Andréa Zhouri, coordenadora do Grupo de Pesquisa em Temáticas Ambientais (Gesta) da UFMG, aponta a raiz do problema.

"É fruto do processo de desregulação ambiental. É uma negligência consciente. É uma escolha política, que mostra um apreço maior pelas empresas e lucros em detrimento da população e meio ambiente", opina Zhouri.

Alto potencial de destruição

Questionada sobre a existência de obras de ampliação no complexo no momento do rompimento, a Vale não respondeu até o fechamento desta matéria.

A Mina Córrego do Feijão faz parte do complexo Paraupeba. Do último balanço divulgado pela Vale consta que 13 mil toneladas métricas de minério foram extraídas no local durante o primeiro semestre de 2018.

A mineradora afirma que a barragem B1 não recebia rejeitos desde 2014. O rompimento da contenção de 86 metros de altura, considerada de porte médio, ocorreu três dias depois da última inspeção no local, afirma a empresa.

Durante a coletiva de imprensa, Fábio Schvartsman disse que a estrutura foi certificada pela alemã TÜV SÜD em 2018, que atestou sua estabilidade. Ninguém foi encontrado na sede da empresa para comentar o laudo na noite de sexta-feira.

Considerada de "risco baixo" quanto à segurança, a barragem 1 do complexo tinha dano potencial associado "alto": um colapso da estrutura poderia provocar elevado número de mortes e perdas econômicas.

Brumadinho, com 37 mil habitantes, faz parte da região metropolitana de Belo Horizonte. Desde de a década de 1970, a cidade – que também abriga o renomado Instituto Inhotim – convive com a extração de minério no local do rompimento.

Durante a madrugada, muitos se apresentaram nos postos de apoio montados pela mineradora para oferecer ajuda. "Eu vim como voluntário, ajudar minha cidade no que for preciso a sobreviver a tragédia", justificou um morador.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais