Esposa de Netanyahu admite uso indevido de dinheiro público | Notícias internacionais e análises | DW | 16.06.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Esposa de Netanyahu admite uso indevido de dinheiro público

Acusada de gastar ilegalmente mais de 100 mil dólares em refeições de luxo, mulher do primeiro-ministro de Israel faz acordo para encerrar processo e evitar condenação por corrupção.

Sara Netanjahu

Em 2016, Sara já foi condenada a pagar uma indenização a um funcionário que a acusou de maus-tratos

Um tribunal em Jerusalém condenou neste domingo (16/06) Sara Netanyahu, a esposa do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, a pagar uma multa pelo uso indevido de dinheiro público. A sentença foi anunciada após ela admitir a culpa e formalizar um acordo com a Procuradoria para evitar uma acusação por corrupção.

Acusada de fraude e abuso de confiança, Sara admitiu ter gasto mais de 100 mil dólares (388 mil reais) em restaurantes que forneceram refeições de luxo para a residência do primeiro-ministro. Como a residência oficial tem um cozinheiro, o uso de recursos públicos para esse tipo de despesa é proibido.

Pelo acordo, Sara se comprometeu a devolver cerca de 12,4 mil dólares (48 mil reais) e pagar uma multa de 2,7 mil dólares (10,5 mil reais). Desta forma, a esposa do premiê evitou as acusações de fraude e abuso de confiança, e só será condenada por crimes menores após admitir ter tirado vantagem de uma falha de contabilidade.

Segundo a acusação formulada em junho de 2018, Sara encomendou entre 2010 e 2013 centenas de refeições de luxo para si própria, membros da sua família e convidados, pagas com dinheiro dos contribuintes. Ao longo do julgamento, a esposa do primeiro-ministro negou qualquer irregularidade e chegou a negar que houvesse um cozinheiro na residência oficial.

A defesa de Sara classificou a sentença de "uma punição severa e dolorosa", enquanto o procurador Erez Padan disse que, nos acordos de culpabilidade, se fazem "concessões difíceis", informou o portal de notícias Ynet.

Essa não foi a primeira condenação de Sara. Em 2016, ela foi condenada a pagar uma indenização a um funcionário que a acusou de maus-tratos. Ela enfrenta ainda um processo por abuso e assédio movido por outro funcionário.

Além de sua esposa, o primeiro-ministro enfrenta acusações de abuso de confiança, fraude e suborno em três processos. Recentemente, Netanyahu conseguiu que a audiência fosse adiada de julho para outubro, após a realização das eleições israelenses, previstas para o próximo dia 17 de setembro.

O premiê é acusado de receber presentes generosos de amigos bilionários e de prometer uma legislação vantajosa a um grande jornal em troca de uma cobertura favorável. Netanyahu nega as acusações e alega ser vítima de uma perseguição orquestrada pela imprensa para tirá-lo do poder.

CN/efe/lusa/afp/rtr

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais