Espanha teme nova onda migratória | Notícias internacionais e análises | DW | 27.07.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

União Europeia

Espanha teme nova onda migratória

Cinquenta mil africanos estão no Marrocos prontos para partir rumo ao território espanhol, afirma jornal. Com bloqueio de rotas pelos Bálcãs e Itália, país ibérico é o mais visado por migrantes com destino à Europa.

Refugiados marroquinos chegam à localidade balneária de Nerja após cruzar Estreito de Gibraltar

Refugiados marroquinos chegam à praia Del Canuelo, na localidade balneária de Nerja, após cruzar Estreito de Gibraltar

Uma nova onda migratória ameaça a Espanha. Com base em informações da polícia, o jornal El Mundo noticiou nesta sexta-feira (27/07) que 50 mil africanos se encontram no Marrocos, prontos para atravessar de barco o Estreito de Gibraltar, a fim de chegar à Espanha.

Na quinta-feira, mais de 600 migrantes originários do sul do Saara transpuseram as cercas de fronteira em Ceuta, enclave espanhol no Norte da África. Durante quase uma hora e meia, guardas espanhóis e marroquinos tentaram contê-los.

Porém, segundo um porta-voz da polícia, os refugiados investiram contra os agentes da lei, em desvantagem numérica, de forma "mais brutal do que nunca", usando lança-chamas improvisados e cal viva. Quatro guardas de fronteira foram hospitalizados com queimaduras, corrosões, cortes e fraturas ósseas. Segundo a Cruz Vermelha, houve um total de 132 feridos.

Nos dias anteriores, quase 900 migrantes foram resgatados no mar. Na terça-feira, a Guarda Costeira espanhola salvou 484 pessoas no Mar de Alborão e no Estreito de Gibraltar, no Mediterrâneo Ocidental. No dia seguinte, foram resgatadas outras 392 em 31 barcos.

Há indicações de que os fluxos migratórios em direção à Europa voltaram a se concentrar na rota ocidental, pela Espanha, devido ao continuado bloqueio da rota dos Bálcãs, pela Grécia, e ao fechamento dos portos italianos para os barcos de refugiados, por iniciativa do novo governo de direita em Roma.

Arame laminado no alto das cercas em Ceuta e Melilla já causou mortes

Arame laminado no alto das cercas em Ceuta e Melilla já causou mortes

Poucos dias atrás, a Organização Internacional para Migração (OIM) informou que a Espanha se transformou no reduto principal para imigrantes ilegais. Até meados de julho, 18 mil homens, mulheres e crianças teriam chegado à Europa pela rota ocidental do Mediterrâneo. O número de refugiados aportados por essa via quase triplicou em relação a 2017, já superando as entradas pela Itália e Grécia.

As capacidades numéricas dos abrigos temporários nos enclaves espanhóis de Ceuta e Melilla e na costa da Andaluzia, no sul espanhol, já foram ultrapassadas ao ponto de a organização andaluza de direitos humanos APDHA falar de "condições de acolhimento indignas". Em reação, a Cruz Vermelha organizou três novos centros de refugiados.

Controvérsia em torno de arame cortante

Apesar do afluxo crescente de migrantes, o governo espanhol mantém seus planos de eliminar o controvertido arame laminado no alto das cercas em Ceuta e Melilla. "Não gosto de citar datas, porque isso costuma gerar decepções, mas a retirada deve ocorrer sem demora", prometeu o ministro do Interior Fernando Grande-Marlaska numa entrevista radiofônica.

Madri promete que o nível de segurança será mantido, mesmo com "métodos menos cruéis". O novo governo anunciou a decisão de remover o arame laminado em meados de junho, apenas uma semana após a posse do socialista Pedro Sánchez como presidente do governo.

Em 2005, o dispositivo cortante foi instalado pela primeira vez nos diversos quilômetros de cercas separando o território do Marrocos dos enclaves espanhóis Ceuta e Melilla, sendo retirado dois anos mais tarde diante das críticas crescentes.

Em 2013, o governo conservador de Mariano Rajoy voltou a afixar o controvertido arame laminado. Refugiados que tentam escalar as cercas de mais de seis metros de altura costumam ferir-se. Segundo organizações de direitos humanos e médicos, já houve casos de migrantes que acabaram morrendo em consequência dos ferimentos.

Grande-Marlaska rebateu as afirmações da oposição de que o sistema espanhol de acolhida de refugiados estaria diante de um colapso, em face do aumento das chegadas nos últimos meses. Em contrapartida, ele acusou o governo anterior, conservador, de não ter tomado as medidas necessárias para "enfrentar esse desdobramento previsível".

AV/kna/dpa/ots

____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais