Escavações revelam sepultura de 4.400 anos no Egito | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 04.02.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Arqueologia

Escavações revelam sepultura de 4.400 anos no Egito

Tumba de tijolos de argila em área arqueologicamente importante pertencia a sacerdotisa chamada Hetpet e contém numerosas pinturas murais. Autoridades egípcias esperam que achados reanimem o abalado turismo nacional.

Em Gizé, mais um achado com potencial turístico para o Egito

Em Gizé, mais um achado com potencial turístico para o Egito

Arqueólogos do Egito descobriram uma sepultura de 4.400 anos nas proximidades das famosas pirâmides do planalto de Gizé, informou neste sábado (03/02) o Ministério de Antiguidades. Com essa e outras descobertas recentes no local, as autoridades egípcias esperam reavivar o vacilante setor turístico nacional.

O local da tumba é uma área mais ampla da necrópole ocidental de Gizé, onde estão sepultados representantes do Antigo Império (aproximadamente 2686 a 2181 a.C., também conhecido como "era das pirâmides"). Lá têm sido feitos achados importantes desde o século 19.

A sepultura provavelmente pertencia a uma sacerdotisa chamada Hetpet, que os arqueólogos creem ter sido relacionada á realeza da Quinta Dinastia. Feita de tijolos de argila, ela contém pinturas murais em bom estado, em que Hetpet observa diversas cenas de caça e pesca.

Em outros painéis, macacos – animais domésticos comuns na época faraônica – colhem frutas ou dançam diante de uma orquestra. Segundo o Ministério de Antiguidades, encontram-se cenas semelhantes em tumbas da posterior 12ª dinastia.

Pinturais murais reproduzem cenas de caça e pesca, entre outros motivos

Pinturais murais reproduzem cenas de caça e pesca, entre outros motivos

Local de futuro grande museu

O ministro de Antiguidades Khaled al-Anani explicou que Hetpet é uma figura conhecida pelos estudiosos do Egito antigo: fragmentos de artefatos pertencentes a ela foram encontrados na mesma área em 1909 e transferidos para um museu em Berlim.

Assistir ao vídeo 01:14
Ao vivo agora
01:14 min

Cientistas reconstroem rosto de adolescente que viveu há 9 mil anos

A missão arqueológica responsável começou as escavações no local em outubro último. Seu chefe, Mostafa al-Waziri, acredita que haverá novos achados no local, já que "essa é uma área muito promissora".

Sua equipe removeu entre 250 e 300 metros cúbicos de camadas de terra até achar a sepultura. Waziri frisou que o que se vê na superfície do Egito "não passa de 40% do que o subsolo contém".

Próximo ao local da descoberta está sendo construído um novo museu para abrigar os artefatos mais exclusivos e preciosos do Egito antigo, inclusive muitos que pertenceram ao célebre menino-rei Tutancâmon. A primeira fase do grande museu já deve ser aberta ao público em 2018, mas a grande inauguração está programada para 2022.

AV/ap,afp,dpa

---------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados