Escândalo nudista | Colunas semanais da DW Brasil | DW | 13.07.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coluna Checkpoint Berlim

Escândalo nudista

Prefeitura de Lychen, ao norte de Berlim, proíbe a prática do nudismo entre banhistas na cidade, com multas de até 500 euros. Decisão causa revolta entre alguns moradores, além de ameaças anônimas de ataque.

Lago em Lychen

Lychen é famosa por seus lagos

Localizada a cerca de 100 quilômetros ao norte de Berlim, a pequena cidade de Lychen, com cerca de 3 mil habitantes, ganhou as páginas de jornais alemães recentemente. As manchetes não foram sobre o turismo no município e seus lagos idílicos, mas sim sobre a polêmica proibição da prática de nudismo na região.

Em meados de junho, a prefeitura de Lychen resolveu mudar as regras para banhistas e adotou uma multa de até 500 euros (cerca de 3 mil reais) para quem se aventurar a nadar pelado nos lagos do município.

A decisão aparentemente foi tomada após reclamação de moradores – principalmente de pais que costumam frequentar os lagos com os filhos – sobre a prática nudista de ioga e vôlei. Nadar sem roupa não seria tanto o problema, mas o "exibicionismo" em esportes teria chocado alguns. Ao jornal Tagesspiegel, uma mãe disse que teve que responder perguntas dos filhos de sete e oito anos sobre o que os idosos, que faziam exercícios de ioga sem roupas, estariam fazendo.

A proibição, porém, não agradou nem um pouco aos adeptos da Freikörperkultur (FKK) – cultura do corpo livre – que chegaram a comparar a decisão da prefeitura com medidas adotadas no Irã. Muitos reclamaram da falta de debate sobre o caso e gostariam que a medida que afetou a vários fosse tomada após uma ampla discussão entre os diferentes grupos.

Um nudista mais revoltado chegou a mandar uma carta anônima para a prefeitura ameaçando jogar "20 litros de diesel ou algo pior" nos lagos da cidade, se a proibição não fosse revogada. O caso está sendo investigado pela polícia.

Chamou-me a atenção ver esse tipo de debate na Alemanha, um país com uma longa tradição de FKK; onde há praias e espaços nudistas em vários locais – inclusive em Berlim é possível ver pessoas tomando sol sem roupa em parques –; onde o nudismo é visto como algo normal e banal.

Pelo visto alguns alemães não apreciam tanto a Freikörperkultur, mas não gostam de admitir isso publicamente. Muitos dos entrevistados por jornais em Lychen que se posicionaram a favor da proibição fizeram questão de destacar que não eram "pudicos".

--

Clarissa Neher é jornalista da DW Brasil e mora desde 2008 na capital alemã. Na coluna Checkpoint Berlim, escreve sobre a cidade que já não é mais tão pobre, mas continua sexy. Siga-a no Twitter.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais