Escândalo após polícia alemã deter filmagem em ato do Pegida | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 23.08.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Escândalo após polícia alemã deter filmagem em ato do Pegida

A obstrução de repórteres após confronto em passeata de movimento anti-islâmico provoca controvérsia na Alemanha após a revelação de que o pivô da confusão era policial. Merkel defende "trabalho livre dos jornalistas".

Integrantes de marcha do Pegida em Dresden empunham bandeiras da Alemanha

Integrantes de marcha do Pegida em Dresden

A obstrução de repórteres pela polícia na cidade de Dresden após confronto com um membro de uma passeata do movimento anti-islã Pegida desencadeou um escândalo na Alemanha, após a revelação de que o pivô da confusão era um policial. Críticos denunciam o episódio como um ataque à liberdade de imprensa.

A ministra da Justiça alemã, Katarina Barley, pediu nesta quinta-feira (23/08) uma apuração rápida do ocorrido. "Os eventos na Saxônia são muito alarmantes", disse ela. "A liberdade de imprensa é parte importante em nossa sociedade, de acordo com a Constituição.”

O incidente ocorreu na quinta-feira passada, quando uma equipe de televisão da rede pública ZDF foi interpelada por um participante da passeata do Pegida (sigla em alemão para "Patriotas europeus contra a islamização do Ocidente"), que acusava os jornalistas de o terem filmado ilegalmente.

Em seguida, a polícia deteve os jornalistas durante 45 minutos, não permitindo que eles continuassem as filmagens.

O caso, que havia ocupado as manchetes da imprensa regional durante os últimos dias, se tornou escândalo de dimensão nacional quando foi revelado que o homem que atacou os jornalistas é da polícia.

As autoridades alemãs ressaltaram que, no momento do confronto, o homem não estava em serviço, e sim de férias.

"Claro que no nosso país todo mundo tem direito a expressar livremente sua opinião”, sublinhou o secretário de Interior da Saxônia, Roland Woeller, se referindo ao ocorrido em Dresden, capital estadual. "Dito isso, espero uma atitude adequada daqueles que estão de serviço no departamento que dirijo, mesmo quando vão a lugares ou falam em público de modo privado", acrescentou.

A manifestação do Pegida ocorria por ocasião da visita à cidade da chanceler federal alemã, Angela Merkel. "O direito de manifestação deve ser garantido plenamente”, disse a chefe de governo alemã nesta quinta, durante visita à capital da Georgia, Tiflis. "Quem vai a uma manifestação tem que contar que também será observado e filmado pela mídia. Deve haver um trabalho livre dos jornalistas.”

A polícia de Dresden negou que seus agentes tentem interferir de forma ativa no trabalho da imprensa, mas admitiu que talvez tenham sido cometidos erros durante a manifestação. O policial deve ser questionado sobre o ocorrido quando voltar de férias, segundo as autoridades.

No estado da Saxônia, no leste da Alemanha, a ultradireita conta com grande apoio da população. Foi em Dresden, capital da região, que surgiu o movimento Pegida, reunindo "cidadãos preocupados com a islamização do país”.

É neste mesmo estado, que pertenceu à extinta Alemanha Oriental, que o partido populista de direita Alternativa para Alemanha (AfD) conseguiu se firmar como primeira força política nas eleições gerais há um ano.

MDdpa/rtr/ap

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

 


Leia mais