Erupção de vulcão deixa mortos na Nova Zelândia | Notícias internacionais e análises | DW | 09.12.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Oceania

Erupção de vulcão deixa mortos na Nova Zelândia

Localizado em ilha turística, vulcão Whakaari entra em erupção. Ao menos cinco morrem, e vários estão feridos, alguns com queimaduras. Polícia ainda busca desaparecidos, mas sem esperança de encontrar sobreviventes.

Vulcão Whakaari, localizado na Ilha Branca, a cerca de 50 quilômetros da costa da Ilha Norte da Nova Zelândia

Whakaari fica na Ilha Branca, a cerca de 50 quilômetros da costa da Ilha Norte

Ao menos cinco pessoas morreram e dezenas estão desaparecidas depois que o vulcão Whakaari, localizado na turística Ilha Branca (White Island), a cerca de 50 quilômetros da costa da Ilha Norte da Nova Zelândia, entrou em erupção às 14h11 (horário local) desta segunda-feira (09/12).

O chefe da polícia local, John Tims, acredita que até 50 pessoas estavam nas proximidades do vulcão. Até o momento, 23 foram encontradas, sendo cinco sem vida, enquanto o restante sofreu lesões, algumas delas queimaduras graves.

Outras 27 pessoas estariam desaparecidas. A polícia disse acreditar que não encontrará mais sobreviventes, sugerindo que a cifra de mortos ainda deve aumentar.

Os cinco mortos eram neozelandeses e também turistas estrangeiros. Tims não soube precisar as nacionalidades das vítimas.

Segundo o chefe de polícia, as condições para o trabalho seguem adversas para as equipes de resgate. Junto a especialistas, a polícia monitora a situação para determinar quando seria seguro entrar novamente na área.

Em um barco, em torno de 20 minutos depois de ter deixado a ilha, um turista gravou imagens da erupção. O vídeo mostra uma nuvem de cinzas e fumaça espalhando-se e indo em direção ao mar.

A primeira-ministra do país, Jacinda Ardern, viajou até o local do incidente no fim do dia e descreveu as cenas que presenciou como "fortes". "Todos os nossos pensamentos estão com as pessoas afetadas [pelo episódio]", declarou Ardern.

O primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, ofereceu ajuda. No Twitter, ele publicou que "os australianos também foram pegos de surpresa com esse terrível acontecimento". "Estamos trabalhando para determinar o bem-estar de todos."

O vulcanologista Brad Scott, do grupo de pesquisa GNS Science, disse que a erupção jogou fumaça e cinzas a uma altura de até 3.660 metros. Ele também afirmou que o ocorrido afetou o solo da ilha.

Outro especialista, o cientista Ken Gledhill, relatou que a erupção não foi necessariamente grande, mas, de qualquer forma, estar perto de um evento como esse pode ser potencialmente perigoso. Ele acrescentou que não é possível afirmar se outra erupção poderia ocorrer nas próximas 24 horas.

Turismo arriscado

A Ilha Branca fica a cerca de 50 quilômetros da costa da Ilha Norte da Nova Zelândia. Devido ao incidente, há o questionamento de por que turistas ainda são autorizados a visitar o local, especialmente depois de cientistas terem percebido aumento da atividade vulcânica.

Em novembro de 2018, a agência GeoNet, que monitora vulcões e terremotos na Nova Zelândia, aumentou o grau de alerta de 1 para 2 devido a uma maior quantidade de gás de dióxido de enxofre, que vem do magma mais profundo do vulcão. A GeoNet também observou aumento no tremor vulcânico – de fraco para moderado.

Scott disse que o nível de alerta costuma subir e descer mesmo caso não haja erupções. Ele afirmou que, até então, não havia ocorrido nenhum grande incidente com turistas em visitas à ilha, ainda que alertas tenham sido enviados. A última erupção antes da que ocorreu nesta segunda-feira foi registrada em 2016, mas ninguém se feriu.

O Whakaari é conceituado como um dos vulcões marinhos ativos mais acessíveis em todo o mundo – 70% dele está embaixo da água. Estima-se que, por ano, 100 mil pessoas visitem o local, que virou reserva privada em 1953.

Em 1914, 12 pessoas morreram enquanto trabalhavam em minas de enxofre. A parede de uma cratera desabou, e um deslizamento destruiu a vila de mineiros, além da própria mina. O que restou dos prédios virou atração turística.

GB/afp/ap/dpa/rtr

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Leia mais