Erdogan aumenta pressão sobre UE após deflagrar crise na fronteira com Grécia | Notícias internacionais e análises | DW | 04.03.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Erdogan aumenta pressão sobre UE após deflagrar crise na fronteira com Grécia

Presidente da Turquia diz que acúmulo de migrantes rumo à Grécia só terá fim se Bruxelas declarar apoio às manobras de Ancara na Síria. Europeus denunciam "chantagem" e fecham fronteiras temendo nova onda migratória.

Forças gregas atiram bombas de gás lacrimogêneo contra migrantes que tentam entrar no país a partir da Turquia

Forças gregas atiram bombas de gás lacrimogêneo contra migrantes que tentam entrar no país a partir da Turquia

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, elevou a pressão sobre a União Europeia nesta quarta-feira (04/03) ao afirmar que a crise na fronteira de seu país com a Grécia só poderá ser resolvida se a Europa declarar apoio ao que chamou de "soluções políticas e humanitárias" de Ancara no norte da Síria.

A declaração de Erdogan veio após um dia de novos confrontos ao longo da fronteira, quando uma multidão de migrantes tentou forçar a entrada na Grécia, fazendo com que as forças de segurança gregas tivessem de intervir para impedir uma invasão em seu território. Milhares de migrantes e refugiados se acumulam ao longo da fronteira greco-turca.

A crise teve início após Erdogan anunciar que seu governo não impediria mais os migrantes abrigados em seu país de tentar chegar à Europa através da Grécia, numa tentativa de forçar a UE a aumentar a ajuda ao país, que abriga em torno de 3,6 milhões de refugiados sírios.

A Turquia realiza operações militares contra o governo da Síria numa ampla faixa no norte do território sírio, em uma tentativa de impedir um novo fluxo migratório a partir de Idlib, região dominada por grupos insurgentes que está sob ataque de tropas de Damasco apoiadas por Moscou.

Quase 1 milhão de habitantes de Idlib foram forçados a se deslocar em razão da violência, mas estão impedidos de entrar no território turco.

O chefe da política externa da UE, Josep Borrell, e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, se reuniram com Erdogan em Ancara nesta quarta feira, e prometeram repassar 170 milhões de euros destinados à ajuda aos grupos em condições vulneráveis na Síria. Borrell afirmou que a UE reconhece as dificuldades que a Turquia enfrenta, mas que a abertura da fronteira para os migrantes "apenas agrava a situação".

O ministro alemão do Exterior, Horst Seehofer, alertou sobre a possível repetição do fluxo migratório que pegou a Europa de surpresa em 2015.

Em reunião com os demais ministros do Exterior da UE em Luxemburgo, ele pediu uma política comum de acolhimento no bloco, sem a qual "há o perigo de a migração descontrolada ocorrer mais uma vez por toda a Europa". "Já vimos isso antes, e não quero que aconteça novamente", reforçou.

O ministro francês do Exterior, Jean-Yves Le Drian, comentou que os europeus não devem sucumbir à "chantagem" de Ancara, ressaltando que as fronteiras do continente estão e permanecerão fechadas.

Acusações em meio ao aumento da violência

As forças de segurança da Grécia intervieram com bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral nesta quarta-feira para impedir a entrada ilegal de migrantes. Os confrontos ocorreram próximo às passagens fronteiriças em Pazarkulee e no vilarejo de Kastanies, ao longo de uma cerca que cobre parte da fronteira não demarcada pelo rio Evros.

Autoridades turcas afirmaram que tiros disparados por agentes gregos deixaram um morto e cinco feridos, o que o governo de Atenas desmentiu. "O lado turco cria e divulga notícias falsas contra a Grécia", acusou o porta-voz do governo Stelios Petsas. "Não houve nenhum incidente com armas de fogo por parte das autoridades gregas", reiterou.

Autoridades da Grécia disseram que a polícia turca atirou bombas de gás contra os migrantes, e apresentaram vídeos que supostamente comprovam a alegação.

Assistir ao vídeo 01:44

Grécia barra milhares de migrantes na fronteira com a Turquia

Jornalistas no lado turco da fronteira relataram ter visto pelo menos quatro ambulâncias deixando o local. O chefe do setor de emergências do hospital da Universidade de Trakya, na Turquia, afirmou a repórteres que seis pessoas foram internadas nesta quarta-feira, sendo que uma delas morreu antes de chegar ao hospital. Entre os atendidos, três tinham ferimentos a bala.

Segundo relatos, a movimentação em massa de migrantes dentro da Turquia poderia ter sido previamente organizada, com alguns ônibus, micro-ônibus, táxis e carros transportando migrantes de Istambul até a fronteira. Alguns dos que conseguiram atravessar para o outro lado afirmaram que autoridades turcas os orientaram a ir para a Grécia.

O governo grego considerou a situação uma ameaça direta à segurança nacional, e impôs medidas de emergência para acelerar as deportações e suspender o processamento dos pedidos de asilo durante um mês. Há relatos de migrantes sendo literalmente empurrados de volta para a Turquia através da fronteira.

RC/ap/rtr/afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais