Equador afasta vice envolvido em escândalo da Odebrecht | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 04.08.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Equador afasta vice envolvido em escândalo da Odebrecht

Presidente decide remover Jorge Glas de todas as suas funções após ele apresentar lista de críticas ao governo. Vice é citado em denúncias de corrupção envolvendo construtora brasileira e é investigado pelo MP.

Jorge Glas, vice-presidente do Equador

Glas afirmou que decisão do presidente foi "retaliação política" por criticá-lo abertamente

O presidente do Equador, Lenin Moreno, afastou nesta quinta-feira (03/08) de todas as suas funções o vice-presidente do país, Jorge Glas, envolvido em denúncias de corrupção que incluem o escândalo envolvendo a empreiteira brasileira Odebrecht. 

A decisão tomada por Moreno, que assumiu a presidência no dia 24 de maio, veio após o vice apresentar uma lista de críticas, o acusando, entre outras coisas, de entregar o controle da imprensa estatal a representantes da iniciativa privada. Glas chegou a dizer que Moreno tinha uma "maneira perversa de lidar com dados econômicos".

Glas desafiou a decisão do presidente de afastá-lo, destacando o caráter político da medida. "Fui eleito vice-presidente [...] e vou terminar meu mandato", afirmou em comunicado. "Esta é uma clara retaliação política por agir de acordo com o que minha consciência dita."

O vice não será destituído do cargo. Uma das funções da qual foi afastado era a de supervisionar um projeto de milhões de dólares para a reconstrução de casas destruídas num terremoto devastador ocorrido no país em 2016, que matou 600 pessoas.

No mês passado, Glas depôs ao Ministério Público (MP) sobre as denúncias envolvendo a Odebrecht. Ele nega as acusações. De acordo com o Departamento de Justiça dos EUA, a construtora pagou 33,5 milhões de dólares de propinas ente 2007 e 2016 às autoridades equatorianas.

Também nesta quinta-feira, o MP do Equador informou que, além do vice-presidente, investiga mais de 20 funcionários e ex-agentes públicos por supostas irregularidades num contrato de 2012 para a exploração de um campo de petróleo na região amazônica.

A decisão do MP se baseou num relatório do Tribunal de Contas do país sobre o contrato assinado entre o governo equatoriano e o Consórcio DGC, integrado pela companhia Dygoil Consultoría y Servicios Petroleros Cia. Ltda.

Na época, Glas ocupava o cargo de ministro-coordenador de Setores Estratégicos, durante o governo do ex-presidente Rafael Correa, no qual ele também ocupava a vice-presidência. A jornalistas, ele explicou que seu nome estaria vinculado ao caso por ele ter participado de uma "etapa pré-contratual", antes da assinatura do convênio.

Glas apontou que, seguramente, virão à tona muitos casos de supostas práticas de corrupção envolvendo funcionários do governo anterior, inclusive ele próprio. Ele afirmou ter pedido ao ex-ministro de Hidrocarbonetos, Wilson Pastor, também alvo das investigações, que retorne ao país para apresentar as provas de sua inocência que já haviam sido enviadas ao Tribunal de Contas e que deverão ser encaminhadas ao Ministério Público.

RC/efe/ap

Leia mais