Entre lockdown e home office, 2020 foi ano ruim para ladrões | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 02.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Criminalidade

Entre lockdown e home office, 2020 foi ano ruim para ladrões

Novo coronavírus atinge o mundo com dureza, e entre as "classes profissionais" castigadas estão os assaltantes residenciais: para seu azar, a população agora passa tempo demais em casa.

Silhueta de indivíduo arrombando porta com pé-de-cabra, à luz de lanterna

Muitos criminosos sequer encontraram oportunidade de cometer o roubo

A confederação do setor de seguros da Alemanha, GDV, divulgou na quinta-feira (31/03) que o número de roubos residenciais no país atingiu o nível mais baixo desde as primeiras estatísticas disponíveis, em 1998. Houve 85 mil reivindicações de seguro em 2020, 10 mil a menos do que no ano interior.

"A queda dos arrombamentos se deve em grande parte à população passar tão mais tempo em casa, devido à pandemia de covid-19", explicou o presidente da GDV, Jörg Asmussen. "Muitas vezes os ladrões nem tiveram oportunidade para cometer o crime."

Também em consequência do confinamento e do trabalho à distância, as indenizações por roubo caíram para 230 milhões de euros, 70 milhões de euros a menos do que em 2019. O valor médio também encolheu cerca de 10%, girando em torno de 2.750 euros. A tendência decrescente dos pedidos de ressarcimento entre 2019 e 2020 foi registrada em todos os 16 estados alemães.

Por outro lado, o número de roubos residenciais no país já vinha caindo desde 2015, depois de um crescimento contínuo a partir de 2008, chegando a um pico de 167.136, quase o dobro da cifra de 2020.

Asmussen explica que grande parte dos proprietários de imóveis da Alemanha está investindo em tecnologia de segurança mais eficaz, o que tem compensado. Quase a metade das tentativas de arrombamento falha por os criminosos não conseguirem penetrar nas casas suficientemente rápido.

Leia mais