Entenda o que é o Pegasus, o software espião de celulares | DW Brasil | Notícias e análises do Brasil e do mundo | DW | 24.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Entenda o que é o Pegasus, o software espião de celulares

[Vídeo] O software funciona como um "espião de bolso": ele pode escutar suas ligações e ler suas mensagens e e-mails, além de ligar seu microfone e câmera sem você perceber. "Estamos muito preocupados. Essas ferramentas podem pôr em perigo não só jornalistas e ativistas de direitos humanos, mas também a oposição", diz jornalista.

Assistir ao vídeo 04:57

O software israelense Pegasus transforma seu celular num espião de bolso. Ele é uma ferramenta tão poderosa que pode ver tudo no seu telefone.

"Ele pode escutar ligações, ler mensagens e e-mails. Pode até ler mensagens protegidas no Whatsapp, Signal ou outros aplicativos de conversa", afirma o repórter investigativo Florian Flade. "Pode também ligar a câmera e o microfone sem o usuário do telefone perceber. Basicamente torna o seu telefone num espião de bolso."

Flade afirma que o telefone só tem que estar conectado à internet para ser infectado sem que o usuário perceba. "Você receberá uma mensagem no seu celular e ele será invadido", diz Flade, que faz parte da equipe global de repórteres que identificou milhares de alvos do Pegasus em dezenas de países no mundo inteiro, inclusive políticos e até chefes de Estado.

Especialistas acham que a maioria foi visada por forças policiais e agências de inteligência que compram Pegasus da empresa de tecnologia israelense NSO. Flade frisa que está muito preocupado com softwares espiões, como o Pegasus.  

"Essas ferramentas de espionagem podem pôr em perigo pessoas do mundo inteiro, não só jornalistas e ativistas de direitos humanos. Também podem atingir a oposição ou pessoas que trabalham em ONGs", conclui Flade.