1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
A vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, fala para um auditório lotado durante a Conferência de Segurança de Munique, na Alemanha. Ela está sentada à direita do palco, em frente ao presidente da cúpula, Wolfgang Ischinger. Ela aparece também em três telas acima do palco. Kamala veste blazer escuro e está com a mão direita levantada.
Kamala Harris, vice-presidente dos EUA, deixou claro que a Otan vai seguir sua expansão no flanco orientalFoto: Andrew Harnik/AP/picture alliance

Rússia testa mísseis, e Ocidente debate crise em Munique

19 de fevereiro de 2022

Em meio às crescentes tensões na fronteira com a Ucrânia, governo russo testa armas sob supervisão de Putin. Em Munique, líderes ocidentais debatem sanções econômicas à Rússia e reforçam apoio à Ucrânia.

https://p.dw.com/p/47ICV

Com supervisão do presidente Vladimir Putin, em meio às tensões com o Ocidente em relação a uma possível invasão à Ucrânia, a Rússia testou mísseis com capacidade nuclear neste sábado (19/02).

O Ministério da Defesa da Rússia disse que o exercício envolveu quase todos os braços das forças armadas, incluindo as forças estratégicas de mísseis, bem como as frotas do Mar Negro e do Norte, que possuem submarinos com armamento nuclear.

 "Todos os mísseis atingiram seus alvos, confirmando os objetivos de desempenho", declarou o governo russo, acrescentando que as simulações incluíram bombardeiros e submarinos.

A televisão russa mostrou imagens de Putin e do líder de Belarus, Alexander Lukashenko, sentados próximos a uma mesa redonda, em uma sala do Kremlin, em frente a telas que mostravam os comandantes militares durante testes com mísseis balísticos hipersônicos, de cruzeiro e nucleares.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, reforçou que "tais testes são impossíveis [de ocorrer] sem o chefe de estado".

Enquanto a Rússia testava armamentos na manhã deste sábado, líderes ocidentais reuniram-se na Alemanha para a Conferência de Segurança de Munique, que ocorre anualmente.

O secretário-geral da Otan, a Organização do Tratado do Atlântico Norte, Jens Stoltenberg, afirmou que a Rússia deveria evitar um "conflito devastador na Ucrânia". Ele observou que o "risco de conflito é real" pelo fato de a Rússia acumular militares e munição em regiões próximas à fronteira com a Ucrânia, o que os russos têm negado repetidamente.

"Nunca é tarde para a Rússia mudar de rumo, se afastar da crise, parar de se preparar para a guerra e começar a trabalhar para uma resolução pacífica", afirmou.

Em seu discurso, Stoltenberg disse que o Ocidente "sempre fará o necessário para se proteger e defender uns aos outros". Ainda de acordo com o secretário-geral da Otan, "Moscou está tentando reverter a história e recriar suas esferas de influência. Portanto, se o Kremlin pretende ter menos [presença da] Otan em suas fronteiras, só terá mais [presença da] Otan", disse, referindo-se a um possível conflito com a Ucrânia.

Ursula von der Leyen, chefe da União Europeia, fala durante Conferência de Segurança de Munique, na Alemanha. Ela tem cabelos curtos e loiros, veste um blazer vermelho sobre uma blusa preta e um colar com duas formas arrendondadas. Ursula von der Leyen está com a mão esquerda erguida, fazendo um gesto, enquanto discursa.
Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, reforçou que o Ocidente está preparado para impor sanções à RússiaFoto: Andreas Gebert/REUTERS

Chefe da UE: "Esperamos o melhor, mas estamos preparados para o pior"

Também presente na Conferência de Segurança de Munique, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, reiterou que o Ocidente está preparado para responder com fortes sanções econômicas caso a Rússia ataque a Ucrânia.

"Estamos enfrentando uma tentativa gritante de sobreposição às regras da ordem internacional. Isso é o que as políticas do Kremlin significam na prática: instalar o medo e chamá-lo de 'exigências de segurança'. Podemos impor altos custos e severas consequências aos interesses econômicos de Moscou. Esperamos pelo melhor [uma resolução diplomática, por exemplo], mas estamos preparados para o pior", afirmou Von der Leyen.

A líder da União Europeia também destacou a necessidade de o bloco diversificar suas fontes de energia, referindo-se à dependência que alguns países da Europa Ocidental têm do gás proveniente da Rússia.

"Uma União Europeia forte não pode ser tão dependente de um fornecedor de energia que ameaça iniciar uma guerra em nosso continente", disse, deixando claro que a Europa suportaria o próximo inverno mesmo se a Rússia cortar o fornecimento de gás para o continente.

A foto mostra o presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski e o chanceler federal alemão, Olaf Scholz. Zelenski está à esquerda, à frente da bandeira ucraniana. Ele veste terno e gravata escuros, com uma camisa branca, e tem uma das mãos no bolso. No centro, há uma bandeira da União Europeia. Scholz está à direita, com as mãos entrelaçadas. Ele veste terno escuro e camisa branca, com uma gravata que tem detalhes de linhas horizontais.
Presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, reuniu-se com o chanceler federal alemão, Olaf Scholz, neste sábado, em MuniqueFoto: Sven Hoppe/REUTERS

Líderes demonstram extrema preocupação

O chanceler federal alemão, Olaf Scholz, foi bastante contundente em seu discurso durante a Conferência de Segurança de Munique, neste sábado. Scholz disse que "a Europa mais uma vez enfrenta uma ameaça de guerra, e o risco não foi de forma alguma evitado".

O líder alemão disse que o Ocidente não deve ser "ingênuo" e reafirmou o compromisso de Berlim com os países para que decidam de maneira independente se querem ou não se candidatar para o ingresso na Otan.

A ministra alemã do Exterior, Annalena Baerbock, pediu cautela quanto a tentativas de adivinhar a forma como a Rússia vai agir neste momento de impasse.

"Em situações de crise, a coisa mais inapropriada a fazer é de alguma forma adivinhar ou supor", disse, neste sábado, em Munique.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirmou que a Rússia não tem nada a ganhar com o que chamou de "empreitada catastrófica", reforçando que, em caso de invasão à Ucrânia, o impacto ecoaria em todo o mundo.

"O risco agora é que as pessoas tirem a conclusão de que a agressão compensa", disse Johnson, que ainda acredita ser possível "seguir o caminho da paz e do diálogo".

Johnson também fez coro ao apelo da presidente da Comissão Europeia para que a Europa "diminua a dependência do petróleo e do gás de Putin".

O gráfico mostra o mapa da Europa e a expansão da Otan desde a sua fundação, em 1949.

EUA reforçam peso de sanções econômicas

A vice-presidente americana, Kamala Harris, reuniu-se com o presidente ucraniano, Volodimir Zelenski, neste sábado, durante a Conferência de Munique. E deixou claro que qualquer ameaça à Ucrânia será levada a sério pelos aliados ocidentais.

Zelenski respondeu, dizendo que "entendemos perfeitamente o que está acontecendo. É o nosso país. Queremos paz". Ele também afirmou que Kiev precisa da ajuda de aliados ocidentais para tomar "medidas específicas", aludindo aos pedidos da Ucrânia em relação a mais ajuda militar e econômica.

Harris reiterou as advertências quanto a possíveis sanções econômicas a Moscou: "Não vamos parar com medidas econômicas, e vamos reforçar ainda mais nossa aliança da Otan no flanco oriental".

Durante visita à Lituânia, o secretário de Defesa americano, Lloyd Austin, prometeu que os Estados Unidos vão permanecer ao lado de seus aliados.

"Quero que todos na Lituânia, Estônia e Letônia saibam, e quero que o presidente [Vladimir] Putin no Kremlin saiba, que os Estados Unidos estão com os aliados. Há meses, a Rússia vem acumulando forças militares na Ucrânia e arredores, inclusive em Belarus. Eles estão desenrolando [a ação] e, agora, estão prontos para atacar", disse Austin.

gb/bl (AFP, AP, Interfax, Reuters)

Pular a seção Mais sobre este assunto
Pular a seção Conteúdo relacionado