Enquanto Biden planeja transição, Trump evita reconhecer derrota | Notícias internacionais e análises | DW | 08.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Eleições nos EUA

Enquanto Biden planeja transição, Trump evita reconhecer derrota

Um dia após ser declarado presidente eleito, democrata anuncia equipe para cuidar da transição de governo. Por sua vez, o presidente republicano joga golfe e volta a falar em "eleição roubada" e fraudes na contagem.

Joe Biden, presidente eleito dos Estados Unidos

Biden lançou um site para definir linhas gerais do governo, em que ele prometeu trabalhar a partir desta segunda-feira

Enquanto o presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, começa a traçar sua transição para a Casa Branca, o atual presidente, Donald Trump, ainda se recusa a reconhecer a derrota.

"Desde quando a mídia 'lamestream' [junção das palavras tradicional e estúpido, em inglês] diz quem será nosso próximo presidente?", tuitou Trump neste domingo (08/11), um dia após projeções da imprensa americana apontarem Biden como o vencedor da acirrada eleição presidencial.

O democrata, enquanto isso, anunciou neste domingo o lançamento de uma equipe de transição de governo, que, segundo ele, vai se concentrar em desafios como a pandemia do coronavírus, a economia prejudicada, a desigualdade racial e as mudanças climáticas.

Apenas um dia após seu discurso de vitória, Biden e a sua vice na chapa do Partido Democrata, Kamala Harris, afirmaram que já estão trabalhando para enfrentar as demandas mais urgentes nos EUA. Entre elas, citaram "proteger e preservar a saúde da nação, renovar as oportunidades de sucesso, promover a igualdade racial e combater a crise climática".

A campanha de Biden lançou uma série de contas em redes sociais e um site para definir suas linhas gerais, em que ele prometeu trabalhar a partir desta segunda-feira.

Não está claro, entretanto, se as várias equipes do democrata terão acesso às principais agências federais para uma transição coordenada, uma vez que Trump não reconheceu a derrota e continua denunciando, sem provas, fraudes no pleito.

Donald Trump em seu clube de golfe em Sterling, na Virgínia

Trump em seu clube de golfe em Sterling, na Virgínia

A recusa do presidente em parabenizar Biden foi apoiada por alguns políticos republicanos mais próximos.

O deputado Kevin McCarthy e o senador Lindsey Graham, importante aliado de Trump, disseram que o mandatário não deveria reconhecer a derrota enquanto suas ações na Justiça e pedidos de recontagem dos votos em alguns estados continuarem pendentes.

O advogado de Trump, Rudy Giuliani, que não apresentou qualquer evidência material de fraude, disse neste domingo que a campanha republicana continuará a entrar com processos na Justiça, especialmente na Pensilvânia, onde a vantagem de Biden aumentou para mais de 40 mil votos, enquanto as cédulas ainda estão sendo contadas.

Apesar de uma enxurrada de processos judiciais nesse sentido, o presidente não venceu qualquer caso importante até agora, e não há qualquer indicação de fraude eleitoral generalizada, à qual Trump atribui sua declaração de derrota pelos principais veículos da imprensa.

A campanha do presidente solicitou uma recontagem em Wisconsin, que está dentro de seu direito legal se a margem de vitória de Biden for de 1% ou menos. Uma recontagem também é provável na Geórgia, onde o democrata lidera por cerca de 10 mil votos, e na Pensilvânia.

De qualquer forma, as vantagens de Biden parecem ser largas demais para que uma recontagem mude os resultados de forma favorável para Trump.

O ex-vice-presidente democrata foi declarado vencedor da eleição de 3 de novembro neste sábado, depois de projeções apontarem sua vitória nos estados de Nevada e Pensilvânia, empurrando-o para bem além dos 270 votos no Colégio Eleitoral necessários para ganhar o pleito.

Enquanto Trump se recusa a reconhecer a derrota, desafetos republicanos do presidente parabenizaram Biden, incluindo Mitt Romney, Jeb Bush e a viúva do ex-senador John McCain. O ex-presidente republicano George W. Bush também se pronunciou neste domingo.

"O povo americano pode ter confiança de que esta eleição foi fundamentalmente justa, sua integridade será mantida, e seu resultado é claro", afirmou Bush.

Com isso, todos os ex-presidentes vivos dos Estados Unidos se mostraram contrários às alegações de fraude de Trump, o que é visto por alguns como sinal importante da legitimidade de Biden.

Boa parte do mundo – incluindo líderes de Alemanha, França, Índia e até mesmo o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, aliado de Trump – também já reconheceu o democrata como presidente eleito. Já Brasil e México permanecem em silêncio.

Neste domingo, Biden passou seu primeiro dia como presidente eleito indo a uma igreja em Delaware, seu reduto político, e visitando o cemitério onde estão enterrados sua primeira mulher, Neilia Hunter, e sua filha Naomi, que morreram num acidente de carro, e Beau, filho de Biden que morreu de câncer.

Trump, por sua vez, passou o segundo dia consecutivo em seu clube de golfe na Virgínia. Mas o lazer não impediu que ele publicasse uma enxurrada de mensagens no Twitter fazendo alegações de fraude eleitoral, falando em "eleição roubada" e acusando a imprensa de indevidamente decidir o próximo presidente.

Historicamente, uma vez que a mídia projeta o resultado final, após algumas horas o derrotado geralmente telefona para o candidato vitorioso para parabenizá-lo. Entretanto, o atual presidente parece não planejar seguir a tradição.

EK/ap/dpa/efe/rtr