Encontro sobre a Síria acaba sem acordo | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 15.10.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Oriente Médio

Encontro sobre a Síria acaba sem acordo

Além de EUA e Rússia, reunião na Suíça inclui também outros países que têm influência sobre as partes beligerantes do conflito sírio. Kerry e Lavrov dizem apenas que novas ideias foram apresentadas.

default

Representantes de nove países reunidos em Lausanne, na Suíça

Uma nova rodada de conversações sobre a Síria terminou sem que qualquer decisão tenha sido tomada, disseram participantes da reunião, que ocorreu em Lausanne, na Suíça, neste sábado (15/10).

Participaram do encontro, que durou quatro horas, os representantes de nove países: Estados Unidos, Rússia, Irã, Iraque, Arábia Saudita, Turquia, Catar, Jordânia e Egito. Nenhum comunicado foi divulgado após a reunião. Esta foi a primeira tentativa de incorporar plenamente ao debate os demais países que influenciam as partes em conflito desde o início das negociações diplomáticas, em 2014.

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, disse que não foi acertada nenhuma ação para acabar com a guerra na Síria, mas que novas ideias foram apresentadas, sem especificar quais seriam.

O ministro do Exterior da Rússia, Serguei Lavrov, que já havia dito não ter grandes expectativas em relação ao encontro, declarou a agências de notícias russas que os participantes concordaram em manter o diálogo para tentar acabar com a guerra civil na Síria. Ele também disse que "ideias interessantes" foram apresentadas.

Diplomatas disseram que não era esperada qualquer declaração formal à imprensa e que o objetivo da reunião era debater as vantagens de incorporar países-chave da região na busca por um acordo sustentável para o cessar-fogo na Síria.

A participação mais notória foi a do Irã, país que, junto à Rússia, apoia o regime do presidente Bashar al-Assad e que, neste ano, alcançou um acordo sobre seu programa nuclear com a comunidade internacional, devido ao qual voltou a ser considerado um interlocutor válido, em particular pelos Estados Unidos.

AS/efe/ap/rtr

 

Leia mais