Encontro de ministros do G20 rejeita taxa sobre transações financeiras | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 05.06.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Encontro de ministros do G20 rejeita taxa sobre transações financeiras

Encontro dos ministros de Finanças e presidentes dos bancos centrais dos países do G20 termina sem consenso quanto a imposto sobre transações financeiras. Principalmente Brasil, Canadá e Japão rejeitam taxação.

default

Ministros reunidos em Busan deixaram trabalho para cúpula em Toronto

Com a divulgação de um comunicado final conjunto, o encontro de dois dias dos responsáveis pela economia do G20, grupo que reúne 20 dos principais países industrializados e emergentes, terminou neste sábado (05/06) na cidade portuária sul-coreana de Busan.

No comunicado, os representantes do G20 salientaram que a economia global se recupera mais rápido do que o esperado. No entanto, os ministros do grupo não chegaram a um consenso quanto à planejada taxação bancária, através da qual os institutos financeiros seriam obrigados a participar dos custos da crise econômica global, após o choque com a falência do banco norte-americano Lehman Brothers.

O imposto sobre transações financeiras, defendido por países como a Alemanha, encontrou resistência principalmente do Brasil, Canadá e Japão, cujos bancos não precisaram de pacotes estatais de resgate para superar a crise financeira.

Cúpula no Canadá

Resta assim muito trabalho para o encontro de cúpula dos chefes de Estado e governo do G20, que se reunirão no final de junho, em Toronto, no Canadá. Wolfgang Schäuble, ministro alemão das Finanças, não se mostrou decepcionado com o encontro ministerial na Coreia do Sul, mas exigiu uma decisão em Toronto.

Embora o imposto sobre transações financeiras não tenha sido mencionado no comunicado conjunto, houve consenso de que o setor financeiro deva ter uma participação justa e substancial nos custos de intervenções estatais. Assim, deve-se chegar a uma regulação adequada à respectiva situação de cada país.

A declaração final chamou explicitamente atenção para a apresentação do relatório final do Fundo Monetário Internacional (FMI) aos países do G20, durante o encontro de cúpula no Canadá. Em Toronto, o tema do imposto sobre transações financeiras deverá voltar à tona.

No entanto, segundo a agência de notícias Reuters, no final do mês, o G20 pretende somente estabelecer princípios de orientação para países que queiram introduzir individualmente a taxa sobre transações financeiras. Nesse contexto, uma grande margem de ação deverá ser reservada aos diversos Estados, informou a agência.

Crise de endividamento

O comunicado divulgado neste sábado começa com a afirmação positiva de que a economia global estaria se recuperando mais rápido do que o esperado. No entanto, as recentes variações cambiais seriam um sinal da persistência de desafios significativos, acresceu o documento.

Durante a coletiva de imprensa, o ministro sul-coreano das Finanças, Yoon Jeung-Hyun, afirmou que "os recentes acontecimentos no sul da Europa alertam para a importância do equilíbrio das finanças públicas. É necessário tomar medidas confiáveis e que apoiem o crescimento. Os Estados com sérios desafios financeiros devem acelerar sua consolidação."

A crise de endividamento em alguns países do sul do continente europeu ocupou importante espaço nas discussões dos ministros de Finanças do G20. Nesse contexto, tanto o Brasil quanto a China disseram que os esforços da União Europeia (UE) não foram suficientemente enfáticos.

A UE deveria ter agido mais rapidamente e os Estados atingidos deveriam ter empreendido maiores esforços de austeridade econômica. Na declaração final, todavia, as atuais medidas da UE nesse sentido foram explicitamente saudadas.

Surpresa norte-americana

G20 Treffen Busan Südkorea

Timothy Geithner surpreendeu

Durante o encontro em Busan, os Estados Unidos surpreenderam com uma carta do secretário do Tesouro norte-americano, Timothy Geithner. O secretário exige que países como a Alemanha e Japão diminuam seus superávits comerciais e façam mais por sua demanda interna, para ajudar a economia global a se recuperar de forma sustentável e equilibrada.

O ministro alemão Wolgang Schäuble não concordou com tal abordagem e salientou que a UE ou pelo menos a zona do euro deve ser observada como um todo. E, que, nesse contexto, não haveria desequilíbrios.

Para os poucos críticos do encontro que viajaram à Coreia do Sul, o comunicado final não é suficiente, mesmo que os ministros das Finanças do G20 tenham refletido sobre opções políticas em prol de um desenvolvimento sustentável e equilibrado.

Da mesma forma, muitas organizações de ajuda humanitária exigiram uma taxação global sobre transações financeiras, cuja receita seria destinada aos países em desenvolvimento, que também sofreram com a crise econômica global.

Autor: Peter Kujath (NDR)/Carlos Albuquerque
Revisão: Simone Lopes

Leia mais