Empresariado alemão de olho na Olimpíada de 2008 | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 03.07.2002
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Empresariado alemão de olho na Olimpíada de 2008

Diversas empresas alemãs de médio e grande porte estão oferecendo seus préstimos para ajudar a China nos preparativos dos Jogos Olímpicos de 2008.

default

China será sede dos Jogos Olímpicos de 2008

Muita coisa precisa ser feita, desde a construção de estádios e vilas olímpicas até a melhoria da infra-estrutura de Pequim, que será sede da Olimpíada de 2008. As autoridades chinesas calculam um investimento entre 30 a 35 bilhões de euros para o grande projeto de modernização, que inclui até a construção de um novo aeroporto e de um centro internacional para a imprensa, com o melhor da tecnologia de comunicação.

Muitas empresas alemãs possuem o conhecimento e a experiência necessárias para contribuir com este grande projeto. Visando a ampliação de suas atividades no exterior, uma delegação de empresários esteve em visita à China, acompanhada pelo ministro do Economia da Alemanha, Werner Müller.

Representantes de firmas de grande porte, como a Bayer, BMW, DaimlerChrysler e Siemens, foram conferir de perto o que há para fazer e estudar de que forma seus serviços podem ser adequados às necessidades de modernização. Até profissionais ligados a escritórios de arquitetura, empresas de eletrônica e planejamento urbano fizeram parte da comitiva.

A Bayer, por exemplo, uma das maiores patrocinadoras do esporte alemão, ofereceu ajuda para a construção de ginásios e centros de medicina esportiva. A indústria farmacêutica tem larga experiência no assunto.

Recentemente, a Bayer construiu para seu clube, em Leverkusen, um estádio altamente moderno. Atletas do Bayer já conquistaram 55 medalhas em olimpíadas, 200 em campeonatos mundiais e outras 800 em campeonatos alemães. O nome Bayer já é sinônimo de alto profissionalismo no esporte internacional.

A construtora Bilfinger e Berger e também a Züblin, acumulam a experiência de participar e coordenar projetos de infra-estrutura e grandes obras em diversos países. As indústrias automobilísticas BMW e DaimlerChrysler esperam fornecer carros e ônibus movidos a hidrogênio, que não poluem o ar. Elas também estão interessadas em organizar a complexa logística necessária para os Jogos Olímpicos, um evento que atraiu milhares de pessoas.

Vantagem - É claro que outras empresas internacionais já descobriram que a China pode ser um bom filão para o incremento de seus serviços no exterior. O empresariado alemão, entretanto, acredita que leva vantagem sobre os concorrentes justamente pela experiência comprovada que possui no setor.

O fato de já terem contribuído para a realização da Olimpíada em Munique e de campeonatos mundiais de futebol pode ser decisivo para que a organização chinesa dê preferência aos alemães. Outro ponto a favor é o volume comercial entre os dois países. Somente no ano passado, o comércio entre a Alemanha e a China foi da ordem de 38 bilhões de euros.