Empresa de contagem de votos denuncia manipulação na Venezuela | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 02.08.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

venezuela

Empresa de contagem de votos denuncia manipulação na Venezuela

Companhia responsável por sistema eleitoral no país sul-americano afirma que governo de Maduro inflou em ao menos um milhão número de eleitores que participaram do pleito para Assembleia Constituinte.

Eleição na Venezuela

Governo afirmou que mais de 8 milhões foram às urnas

A empresa Smartmatic, responsável pela contagem de votos nas eleições para a Assembleia Nacional Constituinte realizadas no último domingo na Venezuela, denunciou nesta quarta-feira (02/08) que houve manipulação dos dados referentes à participação dos eleitores.

Leia mais: O dilema de aplicar sanções econômicas à Venezuela

As autoridades eleitorais venezuelanas afirmam que o número de votantes foi de 8,1 milhões de pessoas, ou seja, 41,43% dos eleitores do país.

Numa entrevista coletiva realizada em Londres, o diretor-executivo da Smartmatic, Antonio Múgica, disse que graças a um "robusto sistema automatizado de votação" é possível afirmar que, "sem sombra de dúvidas, nas últimas eleições da Assembleia Nacional Constituinte, houve manipulação dos dados de participação".

"Uma auditoria tornaria possível conhecer a cifra exata de participação. Estimamos que a diferença entre a quantidade anunciada e a que aponta o sistema é de pelo menos um milhão de eleitores", afirmou a empresa, que fornece plataformas tecnológicas de votação e serviços para as eleições na Venezuela desde 2004.

A empresa denunciou que a votação deste domingo ocorreu sem a presença de auditores da oposição, que são considerados fundamentais como testemunhas do processo eleitoral.

Júlio Borges, presidente da Assembleia Nacional, controlada oposição venezuelana, afirmou que as informações fornecidas pela Smartmatic confirmaram o que os líderes oposicionistas e analistas independentes já suspeitavam. Ele disse que os parlamentares vão pedir à Procuradoria Geral que investigue possíveis crimes cometidos pelo Conselho Nacional Eleitoral.

RC/ap/efe

Leia mais