Em tom conciliatório, Obama recebe Trump na Casa Branca | Cobertura especial sobre as eleições nos Estados Unidos | DW | 10.11.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleições nos EUA

Em tom conciliatório, Obama recebe Trump na Casa Branca

Em primeiro encontro para transição de governo, democrata e republicano deixam de lado diferenças e debatem política externa e interna. Atual líder classifica reunião como excelente e abrangente.

Encontro de Trump e Obama termina com aperto de mão

Encontro de Trump e Obama termina com aperto de mão

O presidente americano, Barack Obama, afirmou nesta quinta-feira (10/11) que a reunião com seu sucessor no cargo, Donald Trump, foi excelente e abrangente. O encontro no Salão Oval, dois dias após a eleição presidencial, durou uma hora e meia e marcou o início da transição entre os dois governos.

No fim do encontro, Obama disse que a reunião tratou de questões organizacionais sobre a transição do governo, além de política externa e interna. "Minha prioridade número um nos próximos dois meses é tentar facilitar a transição para garantir o sucesso do nosso presidente eleito", destacou o líder a jornalistas.

Em tom cordial, o presidente garantiu que fará de tudo para ajudar seu sucessor e pediu a união do país. "Se ele [Trump] for bem sucedido, o país terá sucesso", acrescentou, ao lado do republicano. "Acredito que é importante para todos nós, independente de partido ou preferências políticas, chegarmos a um acordo sobre as várias mudanças das quais estamos diante", completou Obama.

Trump também deixou de lado críticas e classificou a reunião como uma grande honra. "Conversamos sobre muitas situações, algumas maravilhosas e outras difíceis", afirmou o republicano, em seu primeiro compromisso oficial como presidente eleito.

Durante a campanha, foram notórias as farpas trocadas entre Obama e Trump. O republicano, por exemplo, liderou um movimento que questionava a cidadania americana do atual presidente, que, por sua vez, chamou o magnata de temperamentalmente inapto para a presidência e despreparado para obter acesso aos códigos nucleares dos EUA. 

No entanto, desde o resultado das eleições, ambos passaram a adotar um tom conciliador. No fim do primeiro encontro entre os dois, Trump destacou ainda que está ansioso pelas próximas reuniões com Obama. "Tenho um grande respeito por ele", disse.

O encontro terminou com um aperto de mão entre os dois. Tanto Obama quanto Trump se recusaram a responder perguntas dos jornalistas presentes na coletiva de imprensa. A Casa Branca disse que o presidente saiu da reunião com confiança no comprometimento do republicano para uma transição de poder pacífica. A futura primeira-dama, Melania Trump, se reuniu com Michelle Obama paralelamente na Casa Branca.

CN/dpa/rtr/ap/afp