Em liberdade condicional, Puigdemont critica Justiça espanhola | Notícias internacionais e análises | DW | 06.11.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Em liberdade condicional, Puigdemont critica Justiça espanhola

Após ser libertado em Bruxelas, ex-líder da Catalunha afirma que Estado espanhol está "distante das práticas democráticas" e que a prisão de ex-membros de seu gabinete é injusta. Madri respeita decisão da Justiça belga.

Carles Puigdemont

Carles Puigdemont comemorou decisão da Justiça belga: "Em liberdade e sem fiança"

Após ser posto em liberdade condicional pela Justiça belga, o presidente destituído da Catalunha, Carles Puigdemont, criticou a Espanha nesta segunda-feira (06/11), afirmando se tratar de um Estado não democrático que prendeu "injustamente" membros do governo que buscava a independência da região.

O ex-líder catalão se entregou às autoridades belgas no domingo após ser alvo de uma ordem de prisão europeia emitida pela Justiça espanhola contra ele e quatro ex-secretários, acusados de rebelião, sedição, malversação, prevaricação e desobediência. Puigdemont e seus colegas haviam ignorado uma convocação para comparecer perante um juiz para prestar esclarecimentos referentes à declaração de independência da Catalunha. 

Leia também: Opinião: Puigdemont foi do heroico ao ridículo 

"Em liberdade e sem fiança. Nossos pensamentos estão com os colegas aprisionados injustamente por um Estado distante das práticas democráticas", disse Puigdemont no Twiter horas após sua libertação.  

Puigdemont disse que ele e seus colegas – Meritxell Serret, Antoni Comin, Lluis Puig e Clara Ponsati – vão cooperar com as autoridades belgas.

"Na Bélgica, somos libertados sem fiança, enquanto na Espanha estaríamos presos", disse Serret via Twitter.

O ex-vice do governo catalão, Oriol Junqueras, e sete ex-ministros regionais tiveram suas prisões decretadas na última quinta-feira pela Justiça espanhola, que considerou haver risco de fuga.

O ex-líder catalão se refere a seus colegas detidos na Espanha como "presos políticos" e defende que sua região conquistou o direito de se tornar independente após o resultado de um polêmico referendo realizado no início do mês.

Puigdemont e seus companheiros fugiram para a Bélgica após o governo do presidente Mariano Rajoy destituir o governo da Catalunha e assumir o controle dos poderes autônomos da região, convocando eleições regionais para o dia 21 de dezembro.

O ex-líder, inclusive, já afirmou que deseja se candidatar na votação. Ele admitiu ter escolhido a Bélgica também como uma tentativa de levar a causa catalã ao coração da União Europeia (UE), apesar de o país apoiar a Espanha na questão da Catalunha.

O caso elevou não apenas as tensões entre Bruxelas e Madri, mas também dentro do próprio governo belga. O ministro do Interior da Bélgica, Jan Jambon, que pertence ao partido separatista da região de Flandres N-VA, acusa a UE de fracassar em denunciar a repressão por parte de um de seus Estados-membros.

Ele acusa o bloco europeu de agir com dois pesos e duas medidas ao tomar medidas legais contra os governos de direita da Polônia e da Hungria, acusados de violar as normas democráticas, e ignorar os acontecimentos recentes na Espanha.

O governo espanhol afirmou que respeita as decisões da Justiça belga. "Por parte do governo e, considerando que estamos falando de um sistema tão democrático quanto o espanhol, [temos] o máximo respeito às decisões dos juízes na Espanha e na Bélgica", disse a vice-presidente do Executivo espanhol, Soraya Sáenz de Santamaria.

A próxima audiência dos catalães nos tribunais belgas deverá ocorrer dentro de 15 dias. As autoridades têm até 60 dias para decidir se devem ou não enviá-los de volta à Espanha.

RC/afp/dpa/efe

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais