Em carta inédita, Einstein alerta para ameaça nazista | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 09.11.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Em carta inédita, Einstein alerta para ameaça nazista

Manuscrito de 1922 revela temores do físico alemão diante do crescente nacionalismo e antissemitismo na Alemanha, anos antes de os nazistas chegarem ao poder. Documento irá a leilão em Jerusalém.

Albert Einstein

"Estão surgindo tempos econômica e politicamente sombrios", escreveu Einstein

Mais de uma década antes de os nazistas tomarem o poder na Alemanha, o físico alemão e judeu Albert Einstein, já estava em fuga e temia pelo futuro de seu país. Tais receios foram registrados numa carta que acaba de vir à tona, escrita à mão por Einstein em agosto de 1922.

Na ocasião, o físico tinha acabado de saber que seu amigo de longa data e colega judeu Walther Rathenau, ministro do Exterior da Alemanha, fora assassinado por extremistas de direita e que, segundo a polícia, a sua própria vida poderia estar em perigo.

Foi então que Einstein fugiu de Berlim e refugiou-se no norte do país, onde escreveu a tal carta, endereçada à irmã mais nova do cientista, Maja. O documento foi redigido não apenas mais de uma década antes da chegada dos nazistas ao poder, em 1933, mas também um ano antes do Putsch de Munique, a primeira tentativa de golpe de Estado de Adolf Hitler e do Partido Nazista, ocorrida em 1923.

Até então desconhecido, o manuscrito foi apresentado por um colecionador anônimo e deve ir a leilão em Jerusalém na próxima semana, com um preço inicial de 12 mil dólares (cerca de 45 mil reais). Na carta, Einstein alertava Maja sobre os perigos de um crescente nacionalismo e antissemitismo.

"Aqui, ninguém sabe onde estou, e acredita-se que eu esteja viajando", escreveu o cientista. "Estão surgindo tempos econômica e politicamente sombrios, então, estou feliz de poder fugir de tudo isso."

Embora a carta não traga nenhuma informação sobre o endereço do remetente, acredita-se que  tenha sido escrita quando Einstein estava hospedado na cidade portuária de Kiel, no norte da Alemanha, antes de embarcar num tour de palestras pela Ásia. Mais tarde, naquele mesmo ano, o físico recebeu o Prêmio Nobel de Física.

Einstein continua: "Estou bem, apesar dos antissemitas entre meus colegas alemães. Estou muito recluso, sem barulho e sem sentimentos desagradáveis, e estou ganhando o meu dinheiro sobretudo independentemente do Estado, de forma que sou um homem livre de verdade."

"Estou prestes a me tornar uma espécie de pregador itinerante. Isso é, em primeiro lugar, agradável, em segundo, necessário", prosseguiu. 

Einstein viria a renunciar à cidadania alemã em 1933, depois de Hitler se tornar chanceler. O físico foi viver nos Estados Unidos, onde permaneceu até a sua morte, em 1955.

Quando os nazistas chegaram ao poder, começaram a promulgar diversas leis contra a comunidade judaica, com o objetivo, entre outros, de expulsar os cientistas judeus do país. O trabalho inovador de Einstein, inclusive sua famosa Teoria da Relatividade, foi rejeitado pelos nazistas, que o qualificaram de "Física Judaica".

O diretor assistente do Projeto Einstein, no Instituto de Tecnologia da Califórnia em Caltech, nos EUA, Ze'ev Rosenkrantz, disse que a carta de 1922 não foi a primeira vez que Einstein alertou para o antissemitismo alemão, mas capturou o seu estado de espírito nesse momento importante da sua vida.

"A carta nos revela o que se passava na mente e no coração de Einstein num estágio preliminar do terror nazista", disse Meron Eren, coproprietário da Casa Kedem, a qual levará o documento a leilão.

"Hoje, com o antissemitismo crescendo novamente tanto na Europa quanto nos Estados Unidos, podemos ver nesta carta que devemos refletir com muita antecipação sobre o que acontecerá dentro de dez anos ou talvez mesmo antes", concluiu.

IP/lusa/ap/efe

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados