1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Pessoas na fila por uma vacina em Duque de Caxias, Rio de Janeiro
"A insuficiente oferta de vacinas no país não se deve ao seu elevado custo, mas à falta de prioridade atribuída à vacinação"Foto: O Globo/GDA/ZUMAPRESS/picture alliance

Em carta, economistas exigem medidas de combate à pandemia

21 de março de 2021

Com centenas de assinaturas, texto defende urgência da vacinação e pede políticas públicas com base na ciência. Grupo critica "negligência" do governo Bolsonaro e condena "falso dilema" entre salvar vidas e a economia.

https://www.dw.com/pt-br/em-carta-aberta-economistas-exigem-medidas-de-combate-%C3%A0-pandemia/a-56946270?utm_campaign=crise_na_turquia_e_pandemia_descontrolada_empurram_bolsa_escada_abaixo&utm_medium=email&utm_source=RD+Station

Centenas de economistas e banqueiros renomados divulgaram uma carta aberta neste domingo (21/03) em que exigem dos governantes brasileiros medidas efetivas contra o avanço do coronavírus no país. O documento já possui mais de 500 assinaturas.

Entre os nomes que referendam a carta estão os ex-ministros da Fazenda Pedro Malan, Maílson da Nóbrega, Marcílio Marques Moreira e Ruben Ricupero, e os ex-presidentes do Banco Central Armínio Fraga, Affonso Celso Pastore, Gustavo Loyola, Ilan Goldfajn e Pérsio Arida.

Também há pessoas ligadas ao mercado financeiro, incluindo o conselheiro do Itaú Unibanco, Pedro Moreira Salles, e o presidente do Credit Suisse, José Olympio Pereira.

Segundo a imprensa brasileira, a carta será enviada na próxima semana aos chefes dos três poderes: o presidente Jair Bolsonaro e os presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, do Senado, Rodrigo Pacheco, e do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux.

Os economistas e banqueiros alertam para a "situação econômica e social desoladora" enfrentada atualmente pelo país, que se tornou "o epicentro mundial da covid-19, com a maior média móvel de novos casos" no mundo, e menciona o quadro "alarmante" do sistema de saúde brasileiro, com o esgotamento dos recursos na grande maioria dos estados e insuficiente número de leitos de UTI, respiradores e profissionais de saúde.

O grupo detalha também como a pandemia assolou a economia brasileira, com uma taxa de desemprego por volta de 14%, "a mais elevada da série histórica", e observam como a contração do PIB, de 4,1% em 2020, afetou "desproporcionalmente trabalhadores mais pobres e vulneráveis".

"Esta recessão, assim como suas consequências sociais nefastas, foi causada pela pandemia e não será superada enquanto a pandemia não for controlada por uma atuação competente do governo federal", destacam os signatários da carta.

Os economistas ainda denunciam que o governo do presidente Bolsonaro, um negacionista da covid-19, "subutiliza ou utiliza mal os recursos de que dispõe, inclusive por ignorar ou negligenciar a evidência científica no desenho das ações para lidar com a pandemia".

Por isso, defendem a adoção de políticas públicas com base em dados, experiência internacional bem-sucedida e evidências científicas.

"Estamos no limiar de uma fase explosiva da pandemia, e é fundamental que a partir de agora as políticas públicas sejam alicerçadas em dados, informações confiáveis e evidência científica. Não há mais tempo para perder em debates estéreis e notícias falsas. Precisamos nos guiar pelas experiências bem-sucedidas, por ações de baixo custo e alto impacto, por iniciativas que possam reverter de fato a situação sem precedentes que o país vive."

Para conter o coronavírus, eles sugerem e detalham quatro medidas "indispensáveis": acelerar o ritmo de vacinação; incentivar o uso de máscaras, com distribuição gratuita e orientação educativa; implementar medidas de distanciamento social no âmbito local com coordenação nacional; e criar um mecanismo de coordenação do combate à pandemia em âmbito nacional.

Vacinação como prioridade

Para o grupo, a saída definitiva da crise requer a vacinação em massa da população, que se coloca como uma questão ainda mais urgente devido ao surgimento de variantes mais contagiosas do coronavírus. "Infelizmente,estamos atrasados", diz o texto, lembrando que, no ritmo atual, o Brasil levaria mais de três anos para vacinar toda a população. "As consequências são inomináveis."

"Vacinas são relativamente baratas face ao custo que a pandemia impõe à sociedade", afirmam. "Elas têm um benefício privado e social elevado, e um custo total comparativamente baixo. Poderíamos estar em melhor situação, o Brasil tem infraestrutura para isso. Em 1992, conseguimos vacinar 48 milhões de crianças contra o sarampo em apenas um mês."

Segundo os economistas, o problema está "na negligência com as aquisições" de doses da vacina por parte do governo. "A insuficiente oferta de vacinas no país não se deve ao seu elevado custo, nem à falta de recursos orçamentários, mas à falta de prioridade atribuída à vacinação."

Em meio aos esforços para a aquisição de doses e a aceleração da imunização, o grupo classifica como urgente e essencial o reforço de medidas de distanciamento social, bem como a introdução de incentivos e políticas públicas para uso de máscaras mais eficientes, "em linha com os esforços observados na União Europeia e nos Estados Unidos".

Colaboração nacional

"O quadro atual ainda poderá deteriorar-se muito se não houver esforços efetivos de coordenação nacional no apoio a governadores e prefeitos para limitação de mobilidade", diz o texto.

O pedido pela colaboração entre governos federal e estaduais ocorre num momento em que Bolsonaro tenta derrubar, junto ao STF, decretos dos governos da Bahia, Distrito Federal e Rio Grande do Sul que determinam restrições na circulação de pessoas.

Na ação, o presidente argumenta que o fechamento de atividades não essenciais durante a pandemia só pode ser determinado por lei aprovada no Legislativo e não por decretos de governadores.

Na contramão do resto do mundo, Bolsonaro vem minimizando a gravidade da doença e atacando essas medidas restritivas desde o início da crise, preferindo, em vez disso, apostar em drogas que se comprovaram ineficazes contra o vírus, como a cloroquina.

"Falso dilema"

Ao se declarar contrário a medidas de lockdown, o presidente alegou diversas vezes que a economia não pode parar. Para os economistas, no entanto, trata-se de um "falso dilema entre salvar vidas e garantir o sustento da população vulnerável".

"Na realidade, dados preliminares de óbitos e desempenho econômico sugerem que os países com pior desempenho econômico tiveram mais óbitos de covid-19", afirma a carta, lembrando que mesmo países que optaram inicialmente por evitar o lockdown acabaram adotando-o diante do agravamento da pandemia, como o Reino Unido.

"Estudos mostraram que, diante da aceleração de novos casos, a população responde ficando mais avessa ao risco sanitário, aumentando o isolamento voluntário e levando à queda no consumo das famílias mesmo antes ou sem que medidas restritivas formais sejam adotadas", acrescentam.

"A recuperação econômica, por sua vez, é lenta e depende da retomada de confiança e maior previsibilidade da situação de saúde no país. Logo, não é razoável esperar a recuperação da atividade econômica em uma epidemia descontrolada", destacam os especialistas.

Eles defendem ainda que, enquanto a pandemia continuar assolando o país, medidas que apoiem a população mais vulnerável, como o auxílio emergencial, são fundamentais. Ações de apoio às pequenas e médias empresas também se fazem necessárias, afirmam.

O Brasil atravessa hoje seu momento mais grave da epidemia de covid-19. Nesta semana, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) afirmou que o país passa pelo "maior colapso sanitário e hospitalar da história".

A média móvel de mortes ligadas à doença chegou a 2.234 neste sábado, batendo um novo recorde pelo 22º dia consecutivo. O sistema de saúde está em colapso, e hospitais enfrentam escassez de leitos e alertam para falta de medicamentos para intubação de pacientes.

ek (ots)