Eleição mostra como fujimorismo divide peruanos | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 08.06.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Eleição mostra como fujimorismo divide peruanos

Disputa eleitoral apertada mostra como figura do ditador ainda polariza país: de um lado, os que associam seu nome ao fim do terrorismo; do outro, os que temem a volta do populismo de direita, através de sua filha Keiko.

Em Lima, é possível escutar em cada esquina discussões apaixonadas sobre os prós e contras dos candidatos que disputaram o segundo turno das eleições presidenciais – Keiko Fujimori, filha do ex-presidente Alberto Fujimori, e o economista Pedro Pablo Kuczynski.

Muitas vezes, são usadas palavras que marcam a tradição do clientelismo nesta jovem democracia: "Para mim, é melhor que ganhe...". Um nome, porém, parece onipresente, um que colocou sua marca em ambos os lados da corrida eleitoral neste segundo turno: Fujimori.

Mesmo com mais de 99% da apuração oficial dos votos, até o início desta quarta-feira os peruanos continuavam sem saber com certeza quem seria seu próximo presidente.

Participação política

O cenário político no país é caracterizado pelo fato de cada vez antes de uma eleição presidencial surgir vários partidos de diferentes cores e tamanhos. Dessa mesma forma começou o Força Popular (PPK), de Keiko. Ou, no passado, Cambio 90, liderado por Alberto Fujimori.

O medo de um possível retorno do regime fujimorista levou pessoas a se unirem ao movimento anti-Keiko

O medo de um possível retorno do regime fujimorista levou pessoas a se unirem ao movimento "anti-Keiko"

O presidente que dissolveu o Congresso em 1992 para poder governar de forma autoritária cumpre, agora, uma sentença de 25 anos de prisão por violação dos direitos humanos e corrupção durante seu governo.

A participação eleitoral é próxima dos 80%, o que é um sonho tornado realidade para muitas democracias mais antigas. Mas, neste caso, a alta participação se deve à força do voto obrigatório no país e ao entusiasmo político dos cidadãos. Desta vez as eleições tiveram um caráter mais democrático no sentido de participação política. E existem duas razões para isso.

O medo do possível retorno de um regime fujimorista tem levado as pessoas de todas as camadas sociais a se unirem ao movimento "anti-Keiko" nas ruas, conhecido pelas grandes marchas que se caracterizaram pela diversidade do espectro político e social.

Não só as pessoas que sofreram sob a ditadura de Alberto Fujimori deram vida a este movimento, mas também o novo entusiasmo e interesse político dos jovens peruanos que têm desempenhado, nos dois lados da disputa, um papel essencial nestas eleições. Da mesma forma, a sociedade civil no Peru, que agora é mais sólida do que antes, tem sido capaz de se expressar e se defender contra um populismo de direita.

No entanto, cabe mencionar que o desempenho alcançado por Keiko Fujimori, até o último momento, é indiscutível. O apoio ao fujimorismo no Peru existe, e é muito forte.

À sua maneira, um populismo de direito bem sucedido. Ele encontra apoio principalmente em peruanos que relacionam o nome Fujimori com o fim do terrorismo no país. E em pessoas que acreditam em promessas fáceis e se deixam cativar por presentes de campanhas, assim como os potenciais benefícios do clientelismo.

A necessidade de mediar

O partido de Keiko – um tecnocrata, um banqueiro que em bairros mais populares e na província é conhecido como "o candidato dos ricos" – fez uma campanha menos agressiva e com propostas técnicas, estratégicas e, provavelmente, mais realistas que as de seu adversário. Se for confirmada a sua vitória, o partido mostraria que no Peru não só os populistas podem ser vitoriosos.

Caso seja eleito, Kuczynski (foto) terá que construir pontes com o partido de Keiko Fujimori

Caso seja eleito, Kuczynski (foto) terá que construir pontes com o partido de Keiko Fujimori

Ao ocupar a presidência, o primeiro desafio do partido de Keiko seria explicar quem ele é. E Pedro Pablo Kuczynski definiu sua campanha por tudo o que ele não é: e ele não e, acima de tudo, um fujimorista. Seu partido, Peruanos pela Mudança, é uma legenda nova que aglutina diversos grupos políticos pequenos, que, por sua vez, representam diferentes interesses.

Kuczynski deverá mediar dentro de seu partido para consolidá-lo como tal. Não será necessário somente a uma mediação interna, mas também externa. Tendo um Parlamento dominado pelo Força Popular, para assumir a presidência o PKK terá que construir pontes com o partido de Keiko Fujimori.

Isto não deveria ser tão difícil, considerando que ambos os candidatos apresentaram semelhanças em suas propostas políticas e econômicas durante as campanhas. No entanto, ao mesmo tempo terá que saber como satisfazer à esquerda. Os votos da esquerda, vindos da candidata Verónica Mendonza – a terceira colocada no primeiro turno – são os que deram impulso final ao PKK na segunda rodada.

Quer quem seja o vencedor desta longa e tensa jornada eleitoral, o próximo presidente ou a próxima presidente do Peru será de direita. Peru se junta, assim, à lista de países sul-americanos que agora escolheram governos conservadores.

Uma tendência que reflete uma ruptura com as esperanças depositadas, até agora, em governos de centro-esquerda e reforçam um desejo de ver um presidente que atue com mão dura em temas de segurança civil e com uma "mão invisível" em relação aos assuntos econômicos, com a esperança de que se consiga, assim, estimular as economias do continente castigadas pelos preços baixos das commodities.

Leia mais