Egito anuncia morte de líder ligado ao EI | Notícias internacionais e análises | DW | 04.08.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Egito anuncia morte de líder ligado ao EI

Exército egípcio afirma ter matado comandante do grupo terrorista Ansar Beit al-Maqdis, movimento baseado na Península do Sinai e que que jurou lealdade ao "Estado Islâmico".

O Exército do Egito anunciou, nesta quinta-feira (04/08), a morte do líder do grupo terrorista Ansar Beit al-Maqdis, um movimento egípcio ligado à organização extremista "Estado Islâmico" (EI), numa "operação especial" na Península do Sinai, onde o grupo tem sua base.

Em comunicado, as Forças Armadas do Egito identificaram o líder jihadista como Abu Duaa al-Ansari. Ele foi morto junto com alguns de seus principais colaboradores, além de 45 combatentes do Ansar Beit al-Maqdis. Dezenas de outros combatentes ficaram feridos.

O Exército egípcio detalhou na nota publicada em sua página oficial do Facebook que as forças antiterroristas em colaboração com a Força Aérea realizaram "um ataque preventivo bem-sucedido", após terem recebido informações de inteligência sobre a localização do líder jihadista.

As operações militares aconteceram em áreas ao sul e sudoeste da cidade de Al Arish, capital da província do Norte do Sinai, onde o Ansar Beit al-Maqdis e outras organizações extremistas montaram suas bases nos últimos anos e realizam ataques contra as forças de segurança egípcias.

Além disso, as Forças Armadas afirmaram que destruíram armazéns e munição dos terroristas nessa região, e garantiram que continuarão perseguindo todos os membros de organizações extremistas no país.

A Ansar Beit al-Maqdis jurou lealdade ao "Estado Islâmico" em 2014 e passou a se denominar Wilayat Sina (Província do Sinai), em referência a um dos territórios que formam o califado que os jihadistas proclamaram nas regiões que dominam na Síria e no Iraque. Em abril de 2015, um tribunal egípcio incluiu a Ansar Beit al-Maqdis na lista de grupos terroristas.

PV/efe/afp

Leia mais