Efeito positivo da Copa sobre economia alemã tem vida curta | Fique informado sobre tudo o que acontece na Copa do Mundo | DW | 11.07.2006
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Copa do Mundo

Efeito positivo da Copa sobre economia alemã tem vida curta

O clima festivo que ainda toma conta da Alemanha em função da Copa do Mundo não será suficiente para dar um impulso duradouro à maior economia da eurolândia. A declaração é do presidente do Bundesbank, Axel Weber.

Maior economia da eurolândia ainda tem muitos problemas a enfrentar

Maior economia da eurolândia ainda tem muitos problemas a enfrentar

"Uma grande Copa do Mundo por si não garante o funcionamento de uma economia inteira", disse o presidente do Bundesbank, Axel Weber, em entrevista publicada no jornal Die Welt.

"A atual sensação positiva é um fenômeno de curto prazo. O que importa são as tendências de longo prazo. Portanto, não vai levar muito tempo até estarmos falando sobre os mesmos problemas que tentamos resolver há anos", afirmou o chefe do banco central alemão.

Bundesbankpräsident Axel Weber

Para Axel Weber entusiasmo gerado pela Copa é de curto prazo

Weber, que faz parte do conselho de decisões do Banco Central Europeu, foi entrevistado pelo jornal juntamente com Hans-Joachim Körber, presidente da cadeia de distribuição Metro, e Peter Bofinger, um dos chamados "Cinco Sábios", um grupo de consultores econômicos independentes que assessora o governo alemão.

Efeito de vida curta

Körber e Bofinger concordam que o chamado "efeito Copa do Mundo" terá vida curta para a economia alemã. "É bom que as pessoas do país saibam novamente o que é uma atmosfera positiva. Mas a Copa do Mundo acabou, enquanto os problemas continuam", lembrou Körber.

Para Bofinger, "certamente não podemos descansar. Mas não é como se estivéssemos bem no início das reformas, como se sugere repetidamente. Comparada a nossos vizinhos europeus, a Alemanha já conquistou muito. Após o último pacote de reformas, o estado de espírito é o melhor desde 1991".

Weber alertou que o crescimento da economia alemã vai retroceder no próximo ano, como resultado da decisão do governo de aumentar o Imposto sobre Valor Agregado em três pontos percentuais, passando para 19% a partir de 1º de janeiro de 2007.

Aumentos à vista

O Bundesbank está prevendo um aumento do Produto Interno Bruto em 1,5% este ano e 1,1% em 2007. "Sabemos por experiência que tais aumentos de impostos têm um efeito de freio muito forte sobre o consumo privado", afirma Weber.

Acoplado a preços de petróleo elevados, que aumentam os custos de energia e combustível, o aumento do IVA consumirá as rendas líquidas e elevará a inflação, segue o diretor do Banco Central alemão.

O Banco Central Europeu está preocupado que os preços do petróleo elevados provoquem uma espiral inflacionária, em razão da qual sindicatos exigirão aumentos salariais para compensar a perda de poder aquisitivo decorrente do aumento dos preços da energia.

Leia mais