Eduardo Bolsonaro se livra de processo no Conselho de Ética por fala sobre AI-5 | Política | DW | 08.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Eduardo Bolsonaro se livra de processo no Conselho de Ética por fala sobre AI-5

Por 12 votos a 5, colegiado conclui que filho do presidente não violou normas da Câmara. Em 2019, deputado disse que país poderia ter "novo AI-5" se a esquerda "radicalizasse".

Eduardo Bolsonaro falando

É a segunda representação contra Eduardo Bolsonaro arquivada pelo Conselho de Ética neste ano

O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados arquivou nesta quinta-feira (08/04) uma representação contra Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro, pedindo que ele fosse punido por dizer que o país poderia ter "um novo AI-5" se a esquerda "radicalizasse".

A declaração havia sido dada em outubro de 2019, em entrevista à jornalista Leda Nagle publicada no YouTube. Ao comentar a possibilidade de manifestações contra o governo, como as que eclodiam no Chile naquele momento, Eduardo afirmou:

"Se a esquerda radicalizar a esse ponto, a gente vai precisar ter uma resposta. E uma resposta pode ser via um novo AI-5, pode ser via uma legislação aprovada através de um plebiscito como ocorreu na Itália. Alguma resposta vai ter que ser dada."

O AI-5 foi um ato institucional editado em dezembro de 1968 pela ditadura militar (1964-1985), durante o governo Costa e Silva, que marcou o endurecimento da repressão. A norma revogou direitos fundamentais, permitiu que o presidente fechasse o Congresso, cassasse mandatos de parlamentares e determinasse a aposentadoria compulsória de opositores, e abriu caminho para a fase mais violenta da ditadura, com mortes e desaparecimento de pessoas que resistiam ao regime.

Após a declaração de Eduardo, o então presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), definiu a fala como "repugnante" e passível de punição, e o então presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse ser "lamentável" que um parlamentar eleito pelo voto se insinuasse contra a democracia.

A ação no Conselho de Ética

Os partidos Rede, Psol, PT e PCdoB pediram que fosse instaurado um processo por quebra de decoro contra o deputado por atentar contra a democracia, mas não conseguiram os votos necessários. Por 12 votos a 5, a maioria do Conselho de Ética concluiu que não havia motivo para acolher a representação.

O relator do caso, deputado Igor Timo (Podemos-MG), havia apresentado parecer propondo o arquivamento do caso, por não identificar quebra de decoro na fala de Eduardo.

O episódio se soma a outras declarações de Eduardo em defesa de ações autoritárias, assim como de seu pai, que celebra o período da ditadura militar e homenageou torturadores como o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra.

Em fevereiro, Eduardo já havia se livrado de outra representação no Conselho de Ética contra ele, protocolada pela deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), que o acusava de realizar um "linchamento virtual" contra ela por meio de ofensas em redes sociais.

bl/ek (ots)

Leia mais