Editoras alemãs aproveitam bicentenário Mendelssohn | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 02.02.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Editoras alemãs aproveitam bicentenário Mendelssohn

Os editores da Alemanha aproveitam os 200 anos do nascimento de Felix Mendelssohn para preencher lacunas no conhecimento sobre o compositor judeu alemão. Em texto e imagem, da biografia de 800 páginas ao calendário.

default

Monumento ao compositor em Leipzig

Deutschland Musik Felix Mendelssohn-Bartholdy Ein Sommernachtstraum

Montagem em Berlim do 'Sonho' de Shakespeare, com música original de Mendelssohn

Quem não conhece o sinfonista romântico Felix Mendelssohn-Bartholdy, sua música incidental para o Sonho de uma noite de verão, seu Concerto para violino, suas Canções sem palavras? Só que geralmente também acaba aí a informação sobre a obra mendelssohniana, para não falar de sua personalidade ou biografia.

Embora nas últimas três décadas a pesquisa sobre o compositor natural de Hamburgo haja feito grandes progressos, não são poucos os detalhes não esclarecidos em sua biografia. Amplas áreas de sua música também aguardam ser redescobertas, e sua influência sobre outros compositores tampouco foi devidamente pesquisada.

Hans-Günter Klein, especialista na vida e obra de Mendelssohn, aponta uma lacuna gritante, que deverá ser agora fechada: a ausência de uma edição da correspondência do compositor. "É uma situação que torna a pesquisa muito, muito desagradável, pois tem-se que consultar diversas publicações separadas." Além disso, isso aumenta o perigo de acabar esquecendo uma determinada carta. Sobre a planejada edição, Klein espera "que seja publicada, e também que seja levada até o fim".

Novo marco para estudos mendelssohnianos

Komposition von Johann Sebastian Bach

Mendelssohn contribuiu para redescoberta de J.S. Bach

Neste meio tempo, a editora Reclam lança a tradução em alemão da biografia de Mendelssohn pelo musicólogo norte-americano Larry Todd. Lançada há seis anos, ela fornece uma nova base para a pesquisa sobre o músico: até então ninguém estudara as fontes com tanta minúcia – inclusive as 5 mil cartas deixadas por ele, em grande parte, inéditas.

Em suas 800 páginas, o livro de Todd também lembra quão rica é a música do compositor de origem judaica. O autor lista as obras cronologicamente, examina as influências estilísticas e analisa seus temas, situando-as na época.

Com base em manuscritos, cartas, diários e desenhos, o biógrafo traça um retrato detalhado de Mendelssohn e sua época. Começando com a história da família e os anos de aprendizado do menino-prodígio, ele apresenta a vida do pianista legendário e regente de fama internacional e "redescobridor" de Johann Sebastian Bach – mas também pedagogo estimado, desenhista e filólogo.

Além de paladino da música nova de seu tempo, Mendelssohn se revela homem de ideias políticas relativamente progressistas e um liberal do ponto de vista religioso, equilibrado entre profunda a fé luterana e o respeito às raízes familiares israelitas. A biografia de Todd é, decididamente, uma nova obra-padrão sobre o compositor.

As imagens do músico

Kellnerin und Bayerische Dampfnudel

'Dampfnudel' era um dos pratos preferidos do compositor

Porém os que não dispõem de tempo e interesse para explorar o volumoso estudo estarão bem servidos com a monografia de Martin Geck editada pela Rowohlt. Em concisas 160 páginas, o respeitado musicólogo expõe um fascinante "panorama Mendelssohn" em texto e imagem, abrangente e acessível também para o leitor leigo.

Quem tiver curiosidade de conhecer as artes gráficas do músico tem uma excelente opção no fac-símile de seu "caderno de esboços suíço", lançado pela editora Ludwig Reichert. A publicação reúne os desenhos realizados em Lausanne, às margens do Lago de Genebra, constituindo uma espécie de diário de viagem pictórico.

Também o exuberante Almanaque Mendelssohn da Henschel se ocupa tanto do desenhista e pintor como de sua correspondência e vida particular. Através de uma das cartas reproduzidas ficamos sabendo, por exemplo, da predileção por dampfnudel – bolos cozidos de massa de pão, à moda do sul alemão – e strudel de creme.

Lançado por iniciativa da Fundação Felix Mendelssohn-Bartholdy, o almanaque tem a forma de um calendário: para cada dia um desenho, fragmento de carta ou depoimento ilustre sobre o músico, "de modo que – como num mosaico – uma espécie de imagem total acaba por se formar", explica Hans-Günter Klein, que também integra a fundação.

Leia mais