Economia real alemã mantém otimismo apesar da crise financeira | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 10.10.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Economia real alemã mantém otimismo apesar da crise financeira

Crescimento da economia alemã deverá ser menor neste ano e no ano que vem, mas não se pode falar em recessão, afirma instituto DIW. Empresários dizem não ter dificuldade para obtenção de empréstimos bancários.

default

Fábrica da ThyssenKrupp em Duisburg: poucos reflexos da crise financeira na indústria

A economia da Alemanha deverá desacelerar devido à crise financeira, mas a redução no crescimento não será tão dramática como a prevista pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), segundo relatório do Instituto Alemão de Pesquisas Econômicas (DIW) divulgado nesta sexta-feira (10/10).

O DIW prevê para este ano um crescimento de 1,9% para a economia alemã, claramente inferior à previsão de julho passado, que era de 2,7%. Para o ano que vem, o percentual foi reduzido de 1,2% para 1%.

Mesmo assim, o prognóstico do DIW é mais otimista do que o do FMI, para quem a economia alemã ficará estagnada em 2009, segundo projeção divulgada também esta semana. Para o instituto alemão, as conseqüências da crise financeira são controláveis e num primeiro momento atingem apenas o setor bancário. "Não há sinais de recessão na Alemanha", diz o relatório.

"De um modo geral, a economia real se apresenta robusta diante da atual crise no setor financeiro", afirmou o analista Stefan Kooths, do DIW. Para o último trimestre do ano, o instituto prevê crescimento de 0,3% do Produto Interno Bruto (PIB). "O que vemos atualmente na economia são dois mundos diferentes", resumiu o presidente do DIW, Klaus Zimmermann.

Crédito

Também na concessão de crédito há poucas alterações, segundo os empresários alemães. Numa consulta da Confederação Alemã das Câmaras de Indústria e Comércio (DIHK) a 3,5 mil filiados, 73% disseram que a obtenção de dinheiro junto aos bancos não está mais difícil.

"Não existe uma escassez generalizada de crédito. A maioria dos empresários nos disse que nada mudou. Mas há também uns 20% que dizem 'bem, a situação piorou um pouco'. Ou seja, percebe-se uma piora, mas não há uma escassez", disse o presidente da DIHK, Martin Wansleben.

A mesma percepção foi externada por diversos setores da economia alemã. "Não notamos nenhuma escassez de crédito", disse o presidente da Confederação do Comércio Atacadista e Exterior (BGA), Anton Börner. "E não há sinais de que no futuro teremos dificuldade em obter dinheiro." Comércio, construção civil e o setor de máquinas e equipamentos disseram o mesmo.

Já a instituição que representa o setor mais atingido pela crise, a Federação dos Bancos Alemães (BdB), é menos otimista em seus prognósticos e reduziu sua previsão de crescimento da economia alemã de 1% para 0,5% em 2009. "Após três anos, o crescimento encontrou seu fim", disse o presidente do BdB, Manfred Weber.

Leia mais